sexta-feira, 29 de maio de 2015

Defensor Anão para o novo D&D (não oficial)

Saudações, estoicos defensores!

Trabalhando um pouco mais com a flexibilidade do novo D&D e a mecânica dos arquétipos de classes, trago-vos agora uma versão do Defensor Anão como um arquétipo adicional para a classe Guerreiro.

O defensor anão, como muitos já conhecem, é a epítome dos valores morais e características físicas dos anões: Extremamente resistente em corpo e mente, o defensor anão é um guerreiro de elite que usa a grande resistência e força natural de sua raça junto a técnicas de defesa primorosamente desenvolvidas através de séculos de estudos nas artes da guerra.

No novo D&D, o defensor anão funciona melhor como um novo arquétipo da classe Guerreiro. Contudo, diferente dos outros arquétipos existentes no sistema, o defensor anão teria dois pré-requisitos:

- Raça: Anão
- Estilo de Combate: Defesa

As habilidades que a classe recebe (respeitando os níveis nos quais as habilidades especiais dos arquétipos do guerreiro são concedidas) são:

Posição Defensiva (nível 03): Utilizando seu escudo e assumindo uma posição defensiva especial, o defensor anão abre mão de velocidade e mobilidade para se tornar resistente como o aço que seu povo orgulhosamente produz. A Posição Defensiva é ativada e desativada com o uso de uma ação bônus, e dura 1 minuto ou até o defensor anão decidir cancelá-la. Nesta postura de batalha, o defensor anão recebe:
- Resistência a dano cortante, perfurante e de esmagamento
- Bônus de CA: +2
- Imunidade a ataques de Derrubar e Empurrão
- Deslocamento de apenas 1,5 metros por rodada
- Desvantagem em testes de Destreza que envolvam perícias.
- Falha automática em todos os testes de resistência de Destreza

A Posição Defensiva pode ser usada 2 vezes por cada descanso curto que o defensor anão faça.

Vigor da Montanha (Nível 07): Enquanto estiver na Posição Defensiva, o defensor anão recebe Vantagem em todos os testes de resistência de For e Con.

Posição Defensiva Superior (nível 10): Neste nível, a Posição Defensiva se torna mais poderosa, concedendo:
- Bônus de CA: +3 (ao invés de +2)
- Resistência a qualquer tipo de dano, exceto psíquico.
- Imunidade a ataques de Agarrar e Imobilizar
Alem disso, a Posição Defensiva pode ser usada 3 vezes por descanso curto

Vontade Forjada em Aço (nível 15): Enquanto estiver na Posição Defensiva, o defensor anão recebe imunidade a magias e efeito de medo e encantamento.

Posição defensiva Suprema (nível 18): A Posição Defensiva atinge seu ápice de eficiência, concedendo:
- Bônus de CA: +4 (ao invés de +3)
- Ao usar uma reação, o defensor anão regenera pontos de vida igual a 1d6 + modificador de Con ao final de sua ação enquanto estiver na Posição Defensiva.
- Inimigos que estejam a 1,5 metros do defensor anão têm desvantagem se tentam atacar outro alvo que não seja o defensor anão enquanto ele estiver em Posição Defensiva.
Alem disso, a Posição Defensiva pode ser usada 4 vezes por descanso curto.

6 comentários:

  1. Nada mal Odin. Eu tiraria o bônus numérico para a CA, tentando torná-la mais próxima da Fúria (furia dá bonus pro dano mas limita suas ações, posição defensiva da imunidades mas não limita). E uma coisa pra deixar mais parecido com fúria eu faria o seguinte: ao invés de limitar o deslocamento à 1,5m eu botaria um tipo de pré-requisito semelhante à fúria, mas contrário: para manter a posição você NÃO pode se mover mais de 1,5m por vontade própria.

    Dá um sabor mais semelhante, enquanto na prática é a mesma coisa.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Sugestões interessantes, caro amigo. Minha intenção parcial foi mesmo criar algo próximo da fúria (duração/limitações no uso). Contudo, considerei que este arquétipo deveria ser capaz de atingir a mesma CA de um Eldritch Knight usando a magia Escudo. Por isso o bônus de AC. As penalidades da Posição Defensiva são mais pesadas do que as da Fúria, já que como observastes, ela confere uma série considerável de imunidades e resistências que em certas situações podem ser muito úteis.

      A sugestão do deslocamento que destes é bem interessante: "força" o defensor anão a não se mover.

      Grato pelas contribuições!

      Excluir
  2. Elladan, Filho de Elrond31 de maio de 2015 10:27

    Apesar de ser um grande fã de D&D 3 e Pathfinder RPG, nunca gostei do que as classes de prestígio acabavam representando: desculpas para tornar um personagem mais poderoso ou ferramenta para vender suplementos. Contudo, as que estavam no livro do mestre eram bem interessantes e cumpriam adequadamente a proposta de caracterizar melhor um personagem. O defensor anão (apesar de eu nunca ter jogado com um anão) sempre foi um de meus favoritos.

    D&D 5, com sua mecânica dos arquétipos, permite que adaptemos as poucas classes de prestígio realmente válidas (sob ótica do roleplay) de forma simples e muito funcional. Eu gostei muito do seu defensor anão, Odin. Você trabalhou muito bem o equilíbrio das mecânicas de jogo já existentes no novo sistema dentro desse arquétipo.

    O que mais gostei é que a posição defensiva, apesar de extremamente poderosa, ela possui desvantagens severas. Desvantagens em testes de destreza podem ser perigosíssimas dependendo da situação, mas obter falha automática em testes de resistência de destreza, apesar de inusitado, é incrivelmente perigoso, e ao mesmo tempo, absolutamente verossímil. Isso é algo que faltou na Fúria em minha opinião. Ela é extremamente poderosa, tem certas restrições, mas nenhuma desvantagem real.

    Ótimo trabalho.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Grato pelos cumprimentos, nobre irmão. Também nunca fui fã das classes de prestígio de D&D 3, mas algumas delas, como o defensor anão e o arqueiro arcano, possuem um background muito interessante para ser explorado em campanha, o que faz delas opções válidas para a criação de novos arquétipos no novo D&D.

      Minha principal preocupação com a Posição de Defesa foi equilibrá-la com desvantagens concretas, já que a habilidade em si é extremamente poderosa.

      Excluir
  3. "Vontade Forjada em Aço (nível 15): Enquanto estiver na Posição Defensiva, o defensor anão recebe imunidade a magias e efeito de medo e encantamento."

    Em um sistema onde imunidade é algo tão raro que dragões cromáticos ou metálicos não possuem tal coisa, acho muito exagerado ter 3 tipos de imunidade diferentes. Falta equilíbrio com o resto do jogo.

    "Posição defensiva Suprema (nível 18):- Inimigos que estejam a 1,5 metros do defensor anão têm desvantagem se tentam atacar outro alvo que não seja o defensor anão enquanto ele estiver em Posição Defensiva."

    O cara tá em posição defensiva, não ofensiva, como ele vai se mostrar uma ameaça a ponto dos inimigos se verem compelidos a atacar ele ao invés de atacar alguém que tá desprotegido? Falta sentido.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Interessantes colocações, e lamento ter visto teu comentário apenas agora.

      No caso da habilidade Vontade Forjada em Aço, ela simula habilidades que um paladino recebe respectivamente nos níveis 7 e 10. Assim, colocá-las aqui no 15o nível em uma classe limitada a uma única raça, não fica desequilibrado a meu ver.

      No caso da posição defensiva suprema, o que ocorre é que o anão é tão hábil em defender seus companheiros que qualquer ataque contra eles é feito com Desvantagem. Lembrando que a posição defensiva e o estilo de combate focado na defesa tem como funções principais proteger não apenas a si próprio, creio que a habilidade faz sentido.

      Mesmo não concordando com tuas colocações, agradeço a participação.

      Excluir