quinta-feira, 15 de janeiro de 2015

Monges Elementais no novo D&D

Saudações, sábios combatentes!

Conforme prometido anteriormente, trago-vos aqui o arquétipo “Elemental” do monge no novo D&D. Os monges que seguem este caminho mesclam as habilidades marciais características da classe com o uso de magias e técnicas especiais que simulam efeitos mágicos normalmente criados por magos e druidas.

Este caminho não é tão poderoso quanto Caminho da Mão Aberta, mas traz uma diversidade e versatilidade interessante ao personagem, semelhante ao que acontece com o bárbaro totêmico e o berserker.

Apenas lembrando antes de começarmos: As habilidades descritas necessitam de pontos de Ki para serem usadas, e os pontos de Ki do monge são sempre iguais a seu nível de classe.

Discípulo Elemental (3º nível): O monge aprende duas técnicas (chamadas aqui de Disciplinas). Uma dela é a disciplina básica chamada Sintonia Elemental, e a outra pode ser escolhida da lista básica abaixo. O monge aprende duas disciplinas novas nos níveis 6, 11 e 17. Cada vez que aprende uma Disciplina nova, ele também pode trocar uma conhecida por outra. Algumas Disciplinas imitam magias, e são conjuradas em seu nível mínimo, mas podem ser melhoradas ao custo de Ki extra em taxa de 1 por 1 a partir do nível 5. Por fim, o monge pode gastar no máximo 3 Ki em um único poder, mas esse limite aumenta em +1 aos níveis 9, 13 e 17.

-Sintonia Elemental: Com uma ação pode controlar elementos próximos. Pode fazer um dos seguintes efeitos ou semelhante:
-Criar um pequeno efeito sensorial inofensivo relacionado a um elemento.
-Acender ou apagar uma vela.
-Aquecer ou esfriar meio quilo de material por até uma hora.
-Moldar elementos em uma forma simples por 1 minuto.

Disciplinas Básicas

-Chicote de Água: Gastando 2 Ki, força criatura a até 9m a passar em resistência de DES ou sofrer 3d10 esmagamento + 1d10 por Ki extra, ser puxada até 6,5m ou derrubada. Caso passe, apenas leva metade do dano e não é empurrada.
-Forma do Rio:
 Pode moldar água e gelo em raio de 9m a até 36m de você. Pode tornar água em gelo e vice-versa, e criar formas diversas, mas formas não conseguem prender ou ferir diretamente criaturas.
-Golpe do Leque de Brasas: Gastando 2 Ki, conjura a magia Mãos Flamejantes.
-Presas da Serpente de Fogo:
 Gastando 1 Ki aumenta alcance de ataque desarmado ou arma de monge em 3m, causando dano de fogo na rodada, ao invés de dano físico. Ao acertar, pode gastar 1 Ki adicional para causar +1d10 de fogo.
-Punho do Ar Inquebrável:
 Gastando 2 Ki, força criatura a até 9m a passar em resistência de FOR ou sofrer 3d10 esmagamento + 1d10 por Ki extra, ser empurrada 6m e derrubada. Caso passe apenas leva metade do dano.
-Punho do Vento Poderoso:
 Gastando 2 Ki conjura a magia Lufada de Vento.
-Punho dos Quatro Terremotos:
 Gastando 2 Ki conjura a magia Onda de Trovão.

Disciplinas disponíveis no 6º nível

Gongo do Templo da Montanha: Gastando 3 Ki conjura a magia Esmigalhar.
Punho Fechado do Vento Norte: Gastando 3 Ki conjura a magia Imobilizar Pessoa.

Disciplinas disponíveis no 11º nível

Cavalgar o Vento: Gastando 4 Ki conjura a magia Vôo em si mesmo.
Chamas da Fênix: Gastando 4 Ki conjura a magia Bola de Fogo.
Defesa da Montanha Eterna: Gastando 5 Ki conjura a magia Pele de Pedra sobre si mesmo.
Posição da Neblina do Rio: Gastando 4 Ki conjura a magia Forma Gasosa em si mesmo.

Disciplinas disponíveis no 17º nível

Onda de Terra: Gastando 6 Ki conjura a magia Muralha de Pedra.
Respiração do Inverno: Gastando 6 Ki conjura a magia Cone Glacial.
Rio de Chama Viva: Gastando 5 Ki conjura a magia Muralha de Fogo.

4 comentários:

  1. Ficou um monge/mago elemental. Legal, mas ficou com aquele ar de "se fosse bi-classe não seria melhor?".

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Sim, esta foi exatamente a minha dúvida: O personagem ficou muito mais interessante o que eficiente na verdade. As magias não são exatamente fantásticas, especialmente porque um mago com metade do nível do monge pode conjurar a grande maioria delas.

      Excluir
  2. Não curto muito a classe. Acho que é um pouco de preconceito em misturar a fantasia medieval europeia com a oriental.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Entendo teu ponto, nobre amigo. Isto é algo que perturba muitos de nós, pois como já disse anteriormente, por vezes é extremamente difícil colocá-los adequadamente em um cenário de fantasia medieval ssem parecer artificial.

      Excluir