domingo, 29 de junho de 2014

Planilhas D&D 5: Clérigo Anão

Saudações, nobres servos dos deuses!

Em um pergaminho anterior, pudemos analisar um pouco a planilha de um guerreiro humano de 1º nível na nova edição de Dungeons & Dragons. Agora, vejamos como é a planilha de um clérigo anão de 1º nível. Algumas considerações interessantes que podemos fazer observando a planilha mais abaixo são:

- EXPULSAR MORTOS-VIVOS: Esta habilidade, que sempre foi concedida no 1º nível da classe, agora será recebida apenas no 2º nível de experiência. Não chega a ser um problema, e evitaria que a habilidade fosse adquirida tão facilmente por personagens multi-classe, mas confesso que não sou adepto da mudança. Uma coisa que me preocupou um pouco foi o fato de que aparentemente, não é mais possível que o clérigo destrua um morto-vivo com a expulsão.

- MAGIAS PREPARADAS E MAGIAS CONJURADAS: Observando a segunda página da ficha, que mostra a progressão de magias nos níveis 2, 3 , 4 e 5, notamos uma mecânica um pouco diferente, na qual o personagem pode preparar várias magias (nível de clérigo + modificador de sabedoria), mas conjurar poucas. Esta foi uma mudança que, a meu ver, é muito bem vinda, pois dá ao personagem conjurador uma flexibilidade muito maior e até mesmo necessária em níveis mais baixos. No caso do clérigo do 1º nível,  parece que o mesmo (com 16 de sabedoria) pode preparar 4 magias de primeiro nível e conjurar 2 destas por dia. Outra coisa que podemos observar é que em níveis mais elevados, as magias preparadas desta forma devem ser divididas entre os níveis de magia disponíveis.Em minha opinião, levando-se em conta que há novos jogadores que estarão entrando em contato com o hobby pela primeira vez, o número de magias preparadas e conjuradas no 1º nível deveria estar disponível na planilha de forma clara, o que não acontece.


















Concluindo, não sei como a habilidade expulsar mortos-vivos ficará quando descrita oficialmente de forma completa, mas a princípio, a habilidade não me parece tão interessante considerando que a maioria dos clérigos (e grupos de aventureiros) deseja destruir mortos vivos, e não simplesmente afugentá-los. Obviamente, ela ainda pode ser utilizada para “ganhar tempo” para o grupo que enfrenta estas criaturas, o que pode ser realmente útil em certas ocasiões. Já a mecânica de preparação de magias baseada no nível do personagem e modificador de habilidade, facilita a vida do jogador controlando um personagem conjurador, e acho isto algo realmente louvável.

5 comentários:

  1. Gostei Odin! Acho que o jogador tem que suar a camisa um pouquinho para conseguir afugentar os mortos-vivos. É como se no primeiro nível eles estivessem finalizando o seu aprendizado e adquirindo experiencia. Ficou legal!

    ResponderExcluir
  2. Sim, tens toda razão neste ponto, nobre amigo. A habilidade acaba mesmo sendo mais valorizada.

    ResponderExcluir
  3. Concordo com amigo acima. Poderia ser dado até mais adiante, como no nível 3, o que faria ser muito mais valorizada. Mas tb concordo com vc Odin, realmente não conseguir destruir acaba com 50% da graça da habilidade...

    ResponderExcluir
  4. Sim, o que acho, é que ela poderia mesmo ser dada em níveis mais elevados, mas que ela precisaria ter uma chance real de destruir os nefastos mortos-vivos.

    ResponderExcluir
  5. Ainda nao joguei o 5.0, joguei o 4 mas voltei ao 3.5.
    Como esta o 5? É mesmo dinâmico?
    Tem previsao de tradução?
    Quando falei com o pessoal da Devir antes do lançamento da 5ª edição me disseram que a wizards nao pretendia liberar a tradução deste sistema. Triste saber disso...

    ResponderExcluir