segunda-feira, 10 de fevereiro de 2014

The Wheel of Time: "A Roda do Tempo"

"Um dia houve uma guerra tão definitiva que rompeu o mundo, e no girar da Roda do Tempo o que ficou na memória dos homens virou esteio das lendas. Como a que diz que, quando as forças tenebrosas se reerguerem, o poder de combatê-las renascerá em um único homem, o Dragão, que trará de volta a guerra e, de novo, tudo se fragmentará.

Nesse cenário em que trevas e redenção são igualmente temidas, vive Rand al'Thor, um jovem de uma vila pacata na região dos Dois Rios. 


É a época dos festejos de final de inverno - o mais rigoroso das últimas décadas -, e mesmo na agitação que antecipa o festival, chama a atenção a chegada de uma misteriosa forasteira.

Quando a vila é invadida por Trollocs, bestas que para a maioria dos homens pertenciam apenas ao universo das lendas, a mulher não só ajuda Rand e seus amigos a escapar dali, como os apresenta àquela que será a maior de todas as jornadas. A desconhecida é uma Aes Sedai, artífice do poder que move a Roda do Tempo, e acredita que Rand seja o profético Dragão Renascido, aquele que poderá salvar ou destruir o mundo..."



Saudações, nobres aventureiros!

Esta é a pequena sinopse de "O Olho do Mundo", o primeiro livro da série The Wheel of Time (A Roda do Tempo). Recentemente, tenho começado a acompanhar este nobre trabalho de James Oliver Rigney Jr, mais conhecido como Robert Jordan, que tristemente faleceu em 2007. Jordan era jogador de D&D, e mestrava aventuras de RPG para seus filhos e seus jovens amigos, no intuito de ensiná-los lições importantes como valor, amizade e que tudo que se faz gera consequências que precisarão ser enfrentadas.  

O Olho do Mundo já foi lançado e pode ser conseguido facilmente em livrarias, e recomendo fortemente que todos os fãs de RPG e dos trabalhos do mestre Tolkien deem uma chance a este nobre livro. É incrível ver um cenário de fantasia medieval sem orcs, elfos ou anões, e que funciona perfeitamente bem graças às riquíssimas descrições dos diversos povos que compõem este mundo. A magia também é algo interessantíssimo aqui, e é tratada com muito respeito e seriedade.

A história e o mundo criado por Robert Jordan eram tão ricos que nos primeiros anos de D&D 3a edição, este rico foi transformado  em um excelente livro de RPG que, em minha opinião, foi o melhor lançamento de D&D 3, superior inclusive a Forgotten Realms no que diz respeito à descrições de história, geografia, povos e costumes. 

Além dos livros e do livro de RPG, foi lançada também nos Estados Unidos uma excelente HQ que cobre o primeiros livro da série. Assim, fica minha recomendação a vós, nobres irmãos, para conhecer mais sobre este fantástico trabalho, seja através de livros, HQs ou outras mídias. Como o livro de RPG e as HQs não estão (e provavelmente nunca serão) disponíveis em português, seguem dois portais para covis piratas onde podereis apreciar estas obras:

Para conhecer The Wheel of Time RPG, entrai neste PORTAL.

Para conhecer The Wheel of Time HQ, entrai neste PORTAL.

6 comentários:

  1. Série recomendadíssima!!!

    Essa é realmente uma das melhores séries de fantasia que eu já tive o prazer de ler! Coloco facilmente lado a lado com O Senhor dos Anéis e Crônicas de Gelo e Fogo, apesar do enfoque diferente de cada uma dessas três obras. Na verdade, A Roda do Tempo é uma fantasia clássica, como Senhor dos Anéis, com seus elementos mágicos, um grande inimigo maior e exércitos das trevas; mas também chega perto de Guerra dos Tronos, com seus personagens profundos e plots complexos.

    Vale muito o investimento agora que a Editora Intrínseca começou a publicar os livros no Brasil! Na mesma pegada, eu recomendaria a Trilogia de Shannara e a série dos Runelords (infelizmente sem versão tupiniquim). OFF TOPIC: essas são as três séries que mais influenciaram meu cenário próprio de RPG e, quem sabe um dia se o trabalho permitir, meus próprios romances.

    Também gosto muito do livro Wheel of Time RPG, da Wizards of the Coast! O tenho na minha coleção! Mas nunca o utilizei em uma campanha completa, infelizmente. Vale também ouvir a música do Blind Guardian de mesmo nome em homenagem à série!

    ResponderExcluir
  2. Salve, nobre irmão!

    Hei de saber mais sobre Shannara e Runelords (assim como a canção do Blind Guardian).

    E se quiseres mostrar um pouco de teu cenário nestes Salões, basta enviar um pergaminho a meus corvos.

    ResponderExcluir
  3. Eu não conhecia baixei o livro e ADOREI! Obrigado Odin \o

    ResponderExcluir
  4. Apesar da minha lentidão para ler o livro e da minha vontade de bater na chata da Egwene XD, eu estou gostando bastante do livro. E a música do Blind Guardian é ótima, Odin!! Tem uma pegada árabe super legal.

    ResponderExcluir
  5. Hahaha, pelo que vi, tu não és a única que não aprecia muito Egwene. E preciso urgentemente ouvir esta canção do Blind Guardian...

    ResponderExcluir