quinta-feira, 23 de janeiro de 2014

O destino de Forgotten Realms em D&D 5ª Edição.

Tudo indica que os "bons e velhos tempos" estão retornando...
Saudações, nobres almas!

Trago-vos aqui um pergaminho contando um pouco mais sobre o destino de Forgotten Realms em D&D 5ª Edição.

Antes de mais nada, deixo meus agradecimentos especiais aos valorosos bardos do excelente site RPG Brasil, uma vez que várias das informações abaixo foram conseguidas lá.

Forgotten Realms será o cenário principal para o D&D 5ª Edição, tanto que o próprio Livro do Mestre trabalhará a cosmologia do cenário como a “base”, assim como Greyhawk foi a base cosmológica de D&D 3ª Edição.

Eu li pouco sobre a catástrofe que foi feita com o cenário na 4ª edição, mas é de conhecimento geral que todos os antigos jogadores do cenário se revoltaram muito com o que foi feito.  Para tentar consertar a desgraça que foi feita sem que se recorresse a um “reboot”, Ed Greenwood, o “Tolkien” de Forgotten Realms, criou uma nova saga que visa, segundo os desenvolvedores do jogo, “trazer o cenário de volta a suas origens”.

Desse modo, tudo aquilo que aconteceu devido à Spellplague será rompido na nova edição. Neste evento, Abeir e Toril, que foram sobrepostas como conseqüência da praga, se separarão, e este, junto a uma outra série de eventos extremamente importantes culminarão no fim da Era das Perturbações.

A saga que visa trazer de volta nossos amados reinos esquecidos chama-se The Sundering (O Rompimento), e marcará uma série de eventos que avançarão a linha do tempo dos Reinos Esquecidos.

Como já comentamos anteriormente nestes Salões, The Sundering está se desenvolvendo na forma de uma grande saga mostrada em 6 romances, que visam explicar o que está acontecendo com o mundo agora e como ele ficará pouco antes da chegada de D&D 5ª edição. Os romances, como já vimos nestes Salões, são:















UM POUCO SOBRE A TRAMA DE “THE SUNDERING”

Os deuses descobrem que Lorde AO (divindade suprema dos Reinos) reescreverá as Tábuas do Destino no fim, ou próximo do fim do Rompimento, e muitos dos seres mais antigos e poderosos dos Reinos sentem que algo está para acontecer. Eles não sabem quais conseqüências isso pode trazer ao mundo, mas sabem que precisam agir de alguma forma. Como resultado, muitas forças, incluindo até mesmo os deuses do cenário, se colocam em movimento durante esta época, tentando entender o que está acontecendo, como se preparar para o futuro inevitável e, em alguns casos, como tirar proveito disso.

O que torna este evento algo extremamente importante é que sabe-se que ele está escrito e previsto nas Tábuas do Destino há muito tempo perdidas, e que The Sundering na verdade é o 3º e último Cataclismo profetizado por um conselho de sábios elfos no passado remoto de Faerûn.


Neste 3º grande Cataclismo, AO está procurando mais uma vez separar Abeir-Toril, reconstruindo as Tábuas do Destino e desta forma, redefinindo o papel de cada divindade no mundo mortal, reescrevendo os nomes e responsabilidades dos deuses e impedindo que novas tramas contra suas leis divinas voltem a ocorrer. Assim, não é exagero dizer que o Deus dos Deuses planeja forjar um novo mundo.

Como isto recairá sobre deuses e mortais é o que saberemos com os romances e com a chegada de D&D 5ª Edição.

12 comentários:

  1. Meu nobre e velho amigo Odin!

    Que felicidade ao ver um post falando de nosso amado Forgotten Realms. Confesso que mal comecei a ver as mudanças da 3a edição, pois realmente gosto da 2a edição e não gostei do formato e leitura do Forgotten da 3a, a 4a edição então, não quis nem olhar...

    Agora esses romances serão muito legais, principalmente o pirmeiro que conta meu personagem favorito, Drizzt Dó Urdem e claro, o último que além de falar sobre o segundo personagem favorito, Elminster, ainda será escrito pelo por Greenwood, que dizem que Elminster foi baseado num personagem que ele mesmo teve (não sei onde li isso, mas tenho certeza que vi em algum lugar).

    A verdade é que estou com vontade de pegar meu velho Forgotten 2a edição para ler, que está guardado aqui e de quebra ver Underdark (que não deixa de fazer parte de Forgotten). Quem sabe acabe comprando o 4a edição apenas para ler e acompanhar a história...

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Salve, nobre irmão!

      Também sou daqueles que não gostou muito de Forgotten 3a Edição; apenas do livro ser bastante bonito e durável, ele perdia tempo demais mostrando fichas mirabolantes de personagens e muito do "background" dos reinos que tínhamos na época do AD&D foi cortado.

      Fiquei bastante contente com a estrutura dos romances também, e gostei da idéia de começar com Drizzt e fechar com Elminster (que foi um personagem de Ed Greenwood, um mercenário que posteriormente se tornou um mago).

      Conselho de amigo: Eu li um pouco da história do cenário na 4a edição através de um livro em PDF que consegui, e não valeu nem um pouco à pena. Por isso, recomendo que guarde tuas peças de prata...

      Excluir
    2. Poderia responder-me uma duvida?Quero começar a jogar RPG com meus colegas, e serei o mestre, por estar um pouco mais familiarizado, e ser o que mais gosta de contar histórias. Porém, tenho uma dúvida. O Forgotten Realms me chamou a atenção, e gostaria de saber quais livros preciso para jogar. Se for jogar a 1ª Edição, preciso pegar a 1ª do Livro do Jogador para jogar?
      Obrigado pelo blog, é maravilhoso para quem quer jogar RPG, e parabéns pelo conteúdo.

      Excluir
    3. A propósito, se o Forgotten Realms for muito complexo, qual livro ou cenário me recomenda?E como funcionam esse sistemas?

      Excluir
  2. A ideia dos romances é fantástica. Eles ajudam a ambientar os jogadores. Quanto ao cenário, nunca tive a oportunidade de jogar.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Concordo plenamente! Os romances são excelentes neste sentido.

      Quanto ao cenário, aconselho-te a conhecer mais sobre ele, nobre amigo. Acredito que irás encontrar muitas coisas boas nos Reinos Esquecidos.

      Excluir
  3. Algumas informações adicionais:

    Três dos seis livros já foram lançados, e o quarto "The Reaver" sai no começo de fevereiro.

    Parte da experiência do The Sundering são os livros, mas uma parte ainda mais importante é capitaneada por uma série de aventuras. A primeira foi Ghosts of the Dragonspear Castle, uma mini-campainha exclusiva para D&D Next, girava ao redor do Castelo da Lança Dracônica e da Cidade de DaggerFord (Vau da Adaga). Uma boa aventura, cheia de cenas interessantes, com descrições detalhadas de personagens e localidades (o que parece ser uma marca dessas aventuras). Uma cena me impressionou muito nessa aventura, a descrição vívida e aterrorizante de um enforcamento!
    A segunda aventura foi Murder in Baldur's Gate, primeira de uma série de aventuras do D&D Encounters, na minha opinião, uma das melhores aventuras já escritas! Basicamente, seus personagens são soltos em Baldur's Gate num mundo bastante aberto, com um tipo de estrutura narrativa bem interessante, onde são descritos eventos que acontecem, mas sem ditar exatamente como eles ocorrem. O livro não possui regras, sendo Edition Free, apenas aconselhando quantos inimigos usar nos encontros de combate. A aventura vem com um livro de referência de 64 páginas descrevendo Baldur's Gate! Que por si só é FANTÁSTICO! Basicamente, Baal, deus do Assassinato, está voltando!
    A segunda aventura de D&D Encounters foi "The Legacy of the Crystal Shard", descrevendo eventos que ocorreram no Vale do Vento Gélido. Não tive a oportunidade de jogar essa, infelizmente.
    A terceira aventura está para ser lançada é "Scourge of the Sword Coast", focando nos magos vermelhos, teremos ainda mais duas aventuras até o lançamento do livro de Forgotten Realms, ainda não anunciadas.

    Por que essas aventuras são legais? Quando o grupo termina a aventura, pode entrar num aplicativo da WotC no facebook e responder perguntas que mostram qual foi o resultado da aventura. O resultado que mais acontece é incorporado a cronologia do cenário. Por exemplo, Assassinato em Portal de Baldur, terminou com o Duque Torlin Silvershield, grande sacerdote de Gond, se transformando em um Escolhido de Baal e banhando Baldur's Gate em sangue! (O interessante é que durante a aventura o grupo acaba sendo o fio condutor que leva a esse evento! Repito, é uma aventura excelente! Quem puder, compre!)

    Somado a isso, temos jogos para celular (D&D Arena), um novo módulo de campanha anunciado essa semana, chamado Tyranny of Dragons focará no Culto do Dragão e sua nova grande aliada: TIAMAT! E promete ser um evento transmídia!

    Então, Sundering tem acontecido em livros e além deles!

    ResponderExcluir
  4. Salve, nobre amigo!

    Muitíssimo obrigado por uma vez mais compartilhar vossos conhecimentos; eu não sabia que os módulos de aventura tinham um peso tão grande dentro do destino do cenário. E a volta de Baal e a inserção de Tiamat são realmente fatos MUITO dignos de nota. Espero apenas que Mystra realmente retorne como estava planejado, e que Kelemvor permaneça como o "bom guerreiro deus da morte", ignorando as modificações paralelas e semi-oficiais que ocorreram no jogo de computador Neverwinter Nights 2 muitos anos atrás. Ambos são minhas divindades favoritas deste cenário, e gostaria de vê-los desempenhando bem seus papéis.

    ResponderExcluir
  5. Forgotten sempre foi um dos meus cenários favoritos de D&D, mesmo com o fiasco da 4°Ed. eu acompanhei. Agora com todas essas novidades fico muito feliz que os autores e designers deram uma revitalizada nele.

    ResponderExcluir
  6. Torno minhas tuas palavras, grande amigo!

    ResponderExcluir
  7. Nobre amigo, tb gostava de Mystra, mas meu Deus favorito era Ilmater, Deus sofrido, que na minha opinião combinava muito com Paladino, visto que ele protegia os pobres e deficientes... Tb gostava de Tyr, que era adorado em quase todos lugares de Faerun...

    ResponderExcluir