sábado, 16 de novembro de 2013

Warlords of Draenor: A nova expansão de World of Warcraft

Saudações, bravos aventureiros! 

 Há quase um ano eu havia deixado de lado o jogo World of Warcraft por não ter apreciado a expansão de Pandaria e os rumos que a história havia tomado. Não digo que o jogo tenha ficado ruim, mas como meu único interesse nele era acompanhar a história e esta estava demasiadamente infantil para o meu gosto, fui gradativamente me afastando.

Contudo, um amigo me contou sobre a nova expansão do jogo, Warlords of Draenor, que recontava a história dos orcs em seu mundo natal e a maneira como foram corrompidos. Deveras interessante...
 

8 comentários:

  1. Achei bem dramático no melhor estilo Hollywood. Mas eu ando decepcionado com a Blizzard.

    ResponderExcluir
  2. Estive bastante decepcionado com o que foi feito com este jogo em termos de enredo e continuidade. Talvez, com esta expansão, as coisas se tornem interessantes novamente e eu volte a jogar WoW nas manhãs de domingo.

    Deixo claro aqui que isto se trata apenas de uma opinião: Conheço várias pessoas que estão se divertindo muito com o jogo, mas como o meu foco esteve apenas na história e em certos personagens, e nada disso tem sido bem trabalhado ultimamente, acabei me afastando do jogo. Contudo, espero que isto mude no futuro.

    ResponderExcluir
  3. Quando eu era mais jovem eu joguei muito warcraft 2 e 3. Na verdade era bastante fascinado por warcraft 2 e acompanhei a história de warcraft até o lançamento de wow (por isso meu conhecimento é mais superficial do que aqueles que jogam wow a fundo).

    Mas nunca fiquei satisfeito com a abordagem que fizerem com as raças de warcraft 3. Apesar de existirem os vilões como a horda corrompida e os mortos-vivos do lich king, em warcraft 3 e posteriormente em wow humanizaram todas as raças... O "elfos negros" se tornaram bonzinhos como os elfos silvestres. Os orcs viraram bom selvagens (prefiro a horda corrompida), os mortos-vivos passaram a ser góticos renegados do controle mental do lich king, enquanto isso, os humanos e altos elfos (leia-se blood elfs) foram caracterizados como mais viciosos ou cruéis.

    Para mim, wow é o jogo "outdoor" da inversão de valores rs. Onde a personalidade é mais importante que o caráter e o anti-herói se torna mais charmoso que o herói. A quem diga que isso de fazer as raças "malignas" boazinhas e as boazinhas "malignas" numa grande explosão de anti-heroísmo foi uma criatividade genial. Estou jogando com um "drow" que gosta do escuro, mas sou adorador da lua e da natureza. Estou jogando com humano mas sou viciado em magia arcana e só quero poder. E eu concordo, capturou bem o espírito de nossa época.

    Eu não estou fazendo nenhum discurso moralista, só estou falando minha opinião pessoal... acho totalmente válido qualquer pessoa jogar wow e se divertir, é uma questão de gosto pessoal, e eu sei que o cenário permite várias possibilidades inclusive o bom e velho paladino (o que eu falei acima é uma visão mais abrangente). Além disso, eu também gosto de jogar RPG com um cultista maligno de vez em quando ;). Outra coisa, eu não gosto de MMOs, mas acho que fosse jogar um escolheria wow exatamente pelo desenvolvimento da história, apesar da minha insatisfação com a abordagem, ela não desmerece a qualidade do jogo, eu taria jogando um jogo sem considerá-lo perfeito ou bem adequado ao meu desejo por assim disser.

    No final das contas, eu só prefiro carne de herói, chamuscada em bafo de dragão.




    ResponderExcluir
  4. Hahaha, estranhamente carne de herói é o prato preferido de muitas criaturas poderosas...

    Quanto ao jogo, o que me atraiu na história de WoW foi na verdade, o núcleo central da Horda; com exceção dos Night Elves, as raças da aliança são mal desenvolvidas se comparadas a outras obras do gênero, e não acrescentam absolutamente nada; os altos elfos, humanos e anões de Azeroth são muito pobres se comparados aos de Tolkien ou de Forgotten Realms.

    Mas na Horda, havia algo diferente: Os orcs eram guerreiros ferozes e honrados, liderados por um sábio shaman. Os tauren representavam guerreiros sábios e poderosos que encarnavam as virtudes dos nativos norte-americanos, e os trolls vinham de uma raça naturalmente maligna que buscava um caminho diferente mesmo com suas magias estilo "voodoo". Estas três raças lutavam como uma verdadeira família, e eu respeitava e gostava muito disso. Mas, a inserção dos mortos vivos, elfos corrompidos por uso de magia demoníaca, goblins tecnológicos e agora pandas monges, comprometera muito a identidade da Horda, e hoje, esta identidade infelizmente está cada vez mais perdida, porque o jogo conta com tantas raças mal desenvolvidas e reviravoltas movidas por iniciativas de marketing que muito do que se tinha de bom está ficando apagado.

    Com esta expansão, tive a impressão de que a empresa, dentro do possível, tentará um "retorno às origens", e se isso realmente acontecer, voltarei com gosto para Azeroth.

    ResponderExcluir
  5. "Para mim, wow é o jogo "outdoor" da inversão de valores rs. Onde a personalidade é mais importante que o caráter e o anti-herói se torna mais charmoso que o herói. A quem diga que isso de fazer as raças "malignas" boazinhas e as boazinhas "malignas" numa grande explosão de anti-heroísmo foi uma criatividade genial. Estou jogando com um "drow" que gosta do escuro, mas sou adorador da lua e da natureza. Estou jogando com humano mas sou viciado em magia arcana e só quero poder. E eu concordo, capturou bem o espírito de nossa época".

    Concordo com meu primo e acrescento mais:

    World of Warcraft por ser um game é fruto de uma das artes contemporâneas, e a arte é um termômetro da sociedade que reflete bem como a maquina vem funcionando:
    Consumo desenfreado, quase sem educação, onde as pessoas se tornaram meros instrumentos de compra e venda, onde cultuar e adornar as máscaras são prioridade para esconder o vazio que existe dentro.

    Como o primo disse: "só estou falando minha opinião pessoal".

    ResponderExcluir
  6. Sou obrigado a concordar (muito) contigo neste ponto, velho amigo.

    Nossa sociedade está realmente marcada por estes vícios, e isto infelizmente é refletido em várias mídias; e por vezes, muitas mídias chegam inclusive a incentivar estes valores como egoísmo, arrogância, desrespeito e falta de moralidade.

    No caso de WoW, contudo, a inversão de valores não é tão grande quanto parece à primeira vista; não os vejo incentivando comportamentos ruins através da história do jogo porque em TODAS as ocasiões em que alguém abusa de poder ou faz pactos com criaturas abissais, estes indivíduos passam por um sofrimento terrível. Além disso, os mais poderosos personagens do cenário, o arqui druida Malfurion e o shaman Thrall, são de tendência boa e possuem fortes preceitos morais.

    Infelizmente, a maioria dos jogadores (especialmente os mais jovens) se identifica com o lado mais superficial e "negro" do jogo, através da arrogância dos elfos sangrentos, ambição dos humanos, sede de vingança dos mortos vivos, violência de alguns orcs, etc.

    Há ótimos exemplos e referências a serem seguidas aqui, mas todas elas remetem a valores tidos como "ingênuos" e "ultrapassados" em nossa sociedade moderna, que reverencia estupidamente a prepotência de nossa raça e a ideia inconsequente que tudo aquilo que pode ser feito deve ser feito.

    Como Tolkien já dizia, "o "homem moderno" está cada vez mais perdido e afastado da Criação"...

    ResponderExcluir
  7. Temendo parecer uma velha que critica jogos de vídeo-games...

    Queria só deixar claro, que quando eu falei de inversão de valores eu não quis dizer que wow incentiva características anti-sociais. Essa minha expressão se referia especificamente aos valores personalidade x caráter. O que eu tento dizer é que hoje em dia o bem por si só perdeu seu apelo a grande multidão. Hoje é necessário dá uma nova roupagem para que o bem seja atrativo.

    Por isso que eu disse que considero wow o "outdoor" da inversão de valores. Porque para que a maioria do povo aceite um personagem com fortes preceitos morais ele precisa ser um orc ou elfo da noite, precisa ter uma personalidade antes de um caráter. Os humanos por sua vez são o contrário, eles são incentivados a serem naturalmente vilões ou anti-hérois, para que possam se tornar interessantes.

    ResponderExcluir
  8. Hahaha, fique tranquilo que entendemos bem tua colocações, nobre amigo!

    E é fato que as pessoas geralmente torcem o nariz para personagens com fortes preceitos morais; acho inclusive que se O Senhor dos Anéis fosse escrito hoje em dia, teria muita dificuldade para ser publicado.

    ResponderExcluir