quarta-feira, 20 de março de 2013

The Sundering: Um novo começo para Forgotten Realms am D&D 5

Capa do primeiro romance da série The Sundering
Saudações, saudosos aventureiros!

Com o final da 4ª edição de D&D e o início dos trabalhos relativos à D&D Next (ou 5ª Edição), muito se tem perguntado sobre o destino dos Reinos Esquecidos.

Como muitos já sabem, o cenário de Forgotten Realms foi drasticamente alterado na passagem da 3ª para a 4ª edição de D&D, em um evento envolvendo a famigerada SpellPlague, que em muitos aspectos, recriou o cenário.

Novamente, como muitos já sabem, o resultado de Forgotten Realms 4ª edição foi um fiasco absoluto, muito pior do que aquilo que obteve-se de forma geral com D&D 4. No caso de Forgotten Realms, as mudanças foram tão drásticas e/ou descabidas, que praticamente todos os fãs do cenário se mobilizaram contra esta nova era, alegando que independente do sistema de jogo, ambientariam suas aventuras nas eras da 2a ou 3a edição.


Naturalmente, no processo de recriação do jogo que tenta recuperar a antiga glória de D&D, haveria um esforço gigantesco para restaurar os Reinos Esquecidos a um estado no qual antigos jogadores pudessem voltar.

Em uma grande saga conhecida como “The Sundering”, autores consagrados de romances dos Reinos foram reunidos para criar um grande evento dividido em 5 partes, no qual os Reinos seriam novamente drasticamente alterados, mas desta vez, para retornar à antiga glória. Em meio ao evento, serão inclusive disponibilizadas aventuras a grupos de jogadores interessados, e o resultado destas irá influir um pouco no desfecho de todos os cinco romances, que são:

The Companions por R. A. Salvatore, protagonizando Drizzt Do’Urden

The Godborn por Paul S. Kemp

The Adversary por Erin Evans

The Reaver por Richard Lee Byers

The Sentinel por Troy Denning

The Herald por Ed Greenwood, protagonizando Elminster

O melhor de tudo, é que desta vez Ed Greenwood, o criador original do cenário, foi chamado para liderar os esforços de conduzir o processo de criação e transição de Forgotten Realms da 4ª para a 5ª edição de D&D. Ao que parece, após a catástrofe da 4ª edição, bons ventos finalmente estão soprando em direção aos Reinos Esquecidos...



10 comentários:

  1. Interessante. Se eu fosse narrar Reinos Esquecidos hoje, usaria o material da 3ª edição. De certa forma, acho isso legal. Não gostei das ideias propostas na 4ª, o que acaba dando uma liberdade total para um narrador astuto de fazer, ele mesmo, os destinos que bem entender no cenário. Existiam muitas tramas relevantes e interessantes que foram deixadas de lado pela avanço do tempo que as novas adaptações fizeram necessárias. E já faz um tempo que tenho esperado menos do envolvimento de autores originais em projetos. Não que eu duvide do Ed, longe disso, só penso que a cabeça muda. A minha mudou tanto ao longo desses anos. Talvez hoje em dia ele realmente fique feliz com algo diferente do material "das antigas".

    ResponderExcluir
  2. Muitos dos fãs de Forgotten Realms fizeram este mesmo argumento, nobre amigo: Como o resultado da nova edição foi algo muito ruim, os fãs se sentiram mais livres para usar o cenário com bem entendessem. Alguns grupos voltaram à época do AD&D, quando Auzon estava vivo, e outros, permaneceram na versão apresentada em D&D 3.

    Quanto aos planos de Ed Greenwood, o que ouvi é que ele pretendia usar alguns dos elementos apresentados na 4a edição do cenário, mas restaurar o "clima" que Toril tinha no final da época do AD&D. É muito provável, inclusive, que Mystra retorne.

    ResponderExcluir
  3. \o/ Fiquei muito feliz ao saber que o velho Ed voltou para Toril

    ResponderExcluir
  4. Fala velho odin, to de volta, qdo fala da velha guarda do D&D (BD&D e AD&D) to interessado!

    Opaa! Agora sim... por mim ignorava tudo q foi publicado depois da 2a edição, mas enfim, sou um fã do AD&D como vc sabe. Não gosto da 3a edição e odeio a 4a... Forgotten pra mim sempre vai ser o da 2a edição, mas quem sabe o velho Ed não consegue agradar a gregos e troianos, ou 2a edição e 3a edição, pq sinceramente a 4a nem o pessoal old do AD&D e nem os novinhos (nem tão novinhos assim) da 3a gostou rsrs

    PS: A cada com o Drizzt do romance ta fod*!

    Bunker

    ResponderExcluir
  5. Salve, velho irmão!

    Assim como ti, eu prefiro a 2a edição de Fogotten Realms; não gostei muito da terceira porque ela se focou demais em descrever fichas de personagens e retirou muitas informações interessantes presentes no livro da 2a edição para dar espaço a estas fichas. Mas a 4a edição de forgotten foi um trabalho realmente abominável, que como dissestes, nem mesmo os fãs da 3a edição que possuíam uma mente extremamente aberta conseguiram jogar em Toril nesta época.

    Também espero que Ed Greenwood retome o cenário à época "clássica". Oremos e esperemos...

    ResponderExcluir
  6. Com certeza velho Odin, com certeza... Vim postar agora para corrigir o meu PS, quis dizer: "A capa desse romance com o Drizzt está mto fod*!" Mto boa mesmo essa imagem criada... Imgino como ficou a do velho (bota velho nisso rsrs) Elminster...

    ResponderExcluir
  7. Hahaha, procurei a de Elminster, mas ela não estava disponível ainda. Contudo, em uma ilustração conjunta, englobando todos os personagens, ele aparece com seu visual antigo (que eu realmente prefiro muito mais): http://paulskemp.com/wordpress/wp-content/uploads/2012/08/TheSundering.jpg

    ResponderExcluir
  8. Fala velho Odin!

    Parece q vai ser essa imagem mesmo q vc mandou do Elminster, pq se vc reparar o Drizzt é o mesmo da capa do livro...

    ResponderExcluir