terça-feira, 5 de fevereiro de 2013

Mitologia Nórdica: A criação de Midgard


Saudações, nobres almas!

Atendendo aos votos expressos em nossa enquete, trago-vos um pouco mais sobre a rica mitologia nórdica. Comecemos com a criação de Midgard, o mundo dos mortais.

“...No início havia somente o mundo das névoas, Niflheim e o mundo de fogo, Musphelhein. Entre eles havia o Ginungagap, o “grande vazio" no qual nada vivia. Em Ginungagap, o fogo e a névoa se encontraram formando um enorme bloco de gelo. 

Como o fogo de Musphelhein era muito forte e eterno, o gelo foi derretendo até surgir a forma de um gigante primordial, Ymir, que dormiu durante muitas eras. O seu suor deu origem aos primeiros gigantes. Do gelo também surgiu uma vaca gigante, Audumbla, cujo leite jorrava de suas tetas primordiais em forma de 4 grandes rios que alimentavam Ymir. 

Após lamber todo o gelo, Audumba liberou e alimentou o primeiro deus, Buri, que foi pai de Borr, que por sua vez foi pai do primeiro Æsir, Odin, e seus irmãos, Vili e Ve. O leite de Audumba alimentou todos os deuses, tanto que após vários séculos, Odin conduziu-a aos Salões de Valhalla, onde seu leite foi transformado em cerveja altamente nutritiva, que era dada diariamente aos enherjar de Odin. 

Percebendo que Ymir fazia com que a existência fosse regida por leis completamente caóticas e selvagens que impossibilitariam o surgimento da vida, os filhos de Borr, Odin, Vili e Ve destroçaram o corpo do gigante e a partir deste, criaram o mundo onde princípios de ordem (na verdade de harmonia) regiam a existência. De seus ossos e dentes surgiram as rochas e as montanhas e de seu cérebro surgiram as nuvens.

Os deuses regularam a passagem dos dias e noites, assim como das estações. Sol era a deusa do sol, filha do deus Mundilfari. Todo dia, Sol cavalgava através do céu em sua carruagem puxada por dois cavalos míticos chamados Alsvid (aquele que acorda cedo) e Arvak (o mais rápido de todos). 

O trajeto diário de Sol é conhecido como Alfrodul, que significa "glória dos elfos", devido a grande majestade e beleza da carruagem da deusa. O problema era que devido a sua própria beleza e pureza, Sol chamara a atenção de um lobo de Niflheim chamado Skoll, que sempre perseguia a deusa para devorá-la. Sol tinha também um irmão, chamado Mani, que representava a lua. Assim como sua irmã, Mani também era perseguido por um lobo de Niflheim, este chamado Hati.

Os eclipses solares significavam que Skoll quase a capturava, mas que no último momento, Sol escapara. Com freqüência, o lobo era morto por algum Aesir, mas sempre retornava à vida no dia seguinte. Porém era fato que Skoll eventualmente conseguia capturar Sol e a devorava; contudo, a mesma era sempre substituída por sua filha, uma jovem de igual beleza e poder. 

A travessia de Sol possuía mais um papel de suma importância: Proteger o mundo do cáustico calor do sol. Isso era feito graças à Svalin, o Grande Escudo, que permanecia sempre entre o mundo e o sol. Outro ponto interessante a ser notado é que o sol não fornecia luz, apenas calor. A luz que iluminava Midgard emanava das jubas de Alsvid e Arvak.”

2 comentários: