quarta-feira, 17 de outubro de 2012

D&D Next: Voltando às origens - Antecedentes e Especialidades

Erguei vossas canecas, bravos veteranos!

Ao que parece, teremos a essência de nosso bom e velho AD&D de volta na nova encarnação de Dungeons and Dragons, por hora chamada de “D&D Next”.

Nesta nova edição, haverá apenas as quatro classes básicas do jogo, o Guerreiro, o Mago, o Clérigo e o Ladino; todas as outras classes serão especializações que se enquadram primariamente em uma das Classes Básicas através de uma mecânica que envolve dois grandes conceitos: Antecedentes e Especialidades.

Através de uma série de Antecedentes disponíveis, o jogador criará um pouco história, valores e motivações de seu personagem, e através das Especialidades, ele determinará em que o personagem é realmente bom e se sobressai. E pelo que tudo indica, estes dois conceitos são extremamente flexíveis, possibilitando incontáveis combinações de idéias.

Assim, tomemos como exemplo a classe Guerreiro, que até o momento foi um pouco mais trabalhada em sites, fóruns e mesas de play test; Dentro desta classe estão os Bárbaros, Rangers, Paladinos e Monges (provavelmente, outros arquétipos também estão incluídos aqui, mas “apenas” estes foram confirmados). Assim, através de um Background específico e da escolha de certas Especialidades, será possível criar um mestre de armas, um paladino, bárbaro, ranger, duelista, cavaleiro... No grupo dos Magos teremos os magos genéricos, magos especialistas, feiticeiros, bruxos, etc.

Muito parecido com o que tínhamos na época do AD&D.

Para este velho caolho que sente falta da era “old school”, estas são notícias muito boas, que mostram uma mudança realmente forte em relação ao caminho que o jogo tomou nesta era de 4ª edição. Mudanças ainda podem ocorrer, mas fico particularmente feliz em ver o jogo voltando às origens.

11 comentários:

  1. Desculpe, mas esta informação está (pelo menos em parte) incorrecta.

    O jogo está em fase de pré-teste aberto, e o 1º pacote, que saiu em Junho (salvo erro), incluía de facto apenas essas 4 classes.

    De facto, muita gente comentou que estas 4 classes, juntamente com os antecedentes e especialidades, seriam suficientes para um jogo interessante, sem o excesso de classes típico da maioria das edições "recentes" de D&D.

    Mas nunca foi esse o objectivo declarado da equipa de desenvolvimento. Desde o início de 2012 que eles dizem que pretendem ter todas as classes que algumas vez estiveram num Player's Hand Book de qualquer edição, o que deve dar pelo menos umas 14 classes.

    Em Agosto, saiu um 2º pacote, já com uma versão provisória das classes Sorcerer e Warlock, abordagens alternativas à magia, diferentes e separadas da classe Wizard (mago).

    Claro que é possível jogar só com as 4 classes. Desde que haja uma lista bastante completa de antecedentes e especialidades, dá para cobrir a maioria dos conceitos de personagem.

    Mas como existirão classes próprias para certos arquétipos, como os mencionados Bárbaro e Paladino, e pouco provável que algum antecedente ou especialidade seja demasiado semelhante a estes arquétipos, para não roubar espaço e foco a essas classes.

    Além de que o dinheiro investido em material para usar apenas 4 de 14 classes parece um pouco excessivo.

    Talvez eles lancem uma edição básica só com essas 4 classes, do que testei têm flexibilidade suficiente, desde que façam mais listas de antecedentes e especialidades.

    Seja como for, D&D Next está de facto a tomar rumos interessantes, e a buscar inspiração à simplicidade da velha guarda. Recomendo vivamente a todos que experimentem qualquer uma das versões de teste que já saíram.

    ResponderExcluir
  2. Muito obrigado pelas informações, nobre amigo.

    As informações que obtive em fóruns da Wizards diziam que até pelo caráter modular do novo sistema, ele se manteria com 4 classes básicas que teriam diversas ramificações, e que futuramente, haveria a possibilidade da construção de classes independentes (como temos hoje), mas que isto ainda estava sendo estudado.

    De qualquer modo, agradeço muito vossa contribuição, e se mais alguém tiver correções/ acréscimos a fazer, sinta-se à vontade para compartilhar aqui vossos conhecimentos.

    ResponderExcluir
  3. O D&D next vai ser bem flexível no que se refere às classes, mas é provável que todas as classes estejam contidas dentro das quatro básicas. Em um forúm da wizards of the coast, Mike Mearls disse que o melhor arqueiro do jogo seira o Fighter. Como até aqui o ranger se sobressaiu nesta parte, ficou entendido que ele seria um arquétipo do Fighter e não uma classe independente. O mesmo vale para o sorcerer e para o warlock. os dois são especializações da classe Wizard.

    No fim, acho que eles vão usar todas as classes básicas que apareceram na 3a e 4a edição, mas elas vão ser lançadas como kits dentro das quatro básicas, porque isso ajuda a definir o papel principal que cada sub-classe tem. Se você quer um guerreiro que cure, faz um paladino, se quer um guerreiro rastreador, faz um ranger e assim por diante.

    ResponderExcluir
  4. Hum.... esta declaração de Mike Mearls joga mesmo uma sombra de dúvida sobre o que será feito com as classes...

    Por hora, aguardemos...

    ResponderExcluir
  5. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  6. Salve nobre Odin.

    Como sou da velha guarda e a melhor versão já feita na minha opinião foi o AD&D, eu não gostei desse sistema de classes não! Quero classes únicas desde o início assim, seja Ranger, Paladino, Druida ou qualquer outra classe, como era no bom e velho AD&D. Se querem criar algo simples, que coloquem as 4 classes básicas no LdJ e criem outro (LdJ) com as outras classes restantes... Especialização deveria ser para fazer por exemplo um Arqueiro vindo de um Guerreiro e não um Guerreiro virando Ranger...

    Enfim, espero que se aproxime mais do AD&D, pois se dependesse de mim, eles esqueceriam o D&D3 e 4 e fariam um novo AD&D, melhorado e sendo realmente um bom RPG sem muitas firulas, mas que seja bom de jogar e com regras realmente úteis e interessantes e não só para ficar decorando e enchendo nossa paciência na hora do jogo com regras e mais regras.

    Que façam o nosso velho Forgotten com Elminster, Drizzt e cia. Que voltem o bom e velho Dark Sun e claro, que não falte o Ravenloft e Dragonlance, assim cada um escolhe seu mundo preferido, quem sabe um Mystara para os iniciantes...

    E assim, espero que eles parem de ficar preocupados em mudar as regras do jogo e potencializem os suplementos, afinal, nenhum RPG teve tantos suplementos como o velho AD&D 2e. Só de cenário temos vários para escolher, para todos os gostos, fora os outros muitos suplementos feitos.

    É isso velho Odin. Nossa era ainda vai voltar (assim eu espero!).

    ResponderExcluir
  7. Salve, nobre Eduardo!

    Na verdade, acho que esta "nova mecânica" será no fim muito próximo do que tínhamos no AD&D: Grupos maiores como os Mestres de Armas, e dentro deles, outros conceitos que, na verdade, são classes exatamente como o Ranger e o Paladino do AD&D. Posso estar errado, mas acho que as "sub-classes" serão classes completas, mas inseridas em grandes grupos.

    Porém, dissestes algo muito mais importante do que a mecânica de regras; como serão os suplementos e cenários nesta nova edição. Sou um fã incondicional de Forgotten Realm na época da segunda edição e gostaria MUITO de ver este cenário de volta à sua antiga glória.

    Não gostei muito de como as informações do cenário foram tratadas de forma superficial na terceira edição, e nem perderei meu tempo falando de Forgotten na quarta edição.

    Sim, anseio muito pelo retorno dos bons e velhos dias, e espero que esta nova versão realmente consiga trazer isto de volta, especialmente em relação à descrição de cenários como Forgotten, Dark Sun e Ravenloft.

    ResponderExcluir
  8. Depois disso tudo, quem sabe eu volto a jogar Dungeons and Dragons?

    ResponderExcluir
  9. Hahaha, creio que muitos estão pensando a mesma coisa que ti, nobre amigo!

    ResponderExcluir
  10. Salve a todos do Forum e bom dia!

    Caro Odin, sinceramente não estou tendo boas impressões sobre o D&D Next, pelo menos não do tamanho da minha esperança de ver os antigos tempos de volta. Sei que vai melhorar muito em relação a 4a edição (mas tinha como piorar?), mas será que vai atender as aos gostos dos novos e antigos jogadores (leia-se AD&D e D&D3.0/3.5 respectivamente), sinceramente não sei se isso é possível, pois como o nobre amigo já citou, Ranger está cada vez mais ladino, será que novos jogadores estão preparados para o antigo AD&D, com classes equilibradas pela quantidade de xp que tem que ter para subir (claro que haviam desequilíbrios também), antigo cenário rico em detalhe e poucas regras? Aos verdadeiros mundos da antiga TSR?

    Sinceramente não sei se alguém sabe essas respostas. Mas o fato é que o D&D Next está muito mais para a 3ª Edição do que para o AD&D pelo que ando acompanhando. Seria como um D&D 3.6 e não um AD&D 3ªEdição (ou AD&D 2.5 rs), se é que me entende.

    Mas ainda estamos nas fases de testes, vamos ver o que a Wizard está arrrumando para os novos e velhos jogadores. Esperança é a última que dorme (pq ela nunca morre!). Vamos aguardar....

    ResponderExcluir
  11. Hahaha, realmente, mesmo que a situação não melhore como desejamos, não há muito mais espaço para pioras atualmente...

    Sinceramente, acho muito difícil que a tabela de experiência do AD&D volte, e acho que Forgotten não conseguirá recuperar toda a glória depois da m... que foi feita na 4a edição, fato que realmente lamento muito.

    Quanto ao Ranger, realmente seria uma mudança brusca para os mais jovens, mas ao que PARECE, ele estará mesmo de volta ao grupo dos homens de armas (o que muito me alegra). Porém, penso que da mesma forma que os mais jovens se adaptaram à 4a edição, eles serão capazes de se adaptar a qualquer mudança, especialmente se esta trouxer consigo bons cenários e descrições. Os mais exigentes e "chatos" (os que realmente jogam apenas com um pouco de papel, dados e uma boa história) somos nós, os mais velhos.

    Aguardemos, mas com esta ideia que sabiamente colocastes: a nova edição deve mesmo estar mais parecida com D&D 3.5 do que com o AD&D

    ResponderExcluir