quarta-feira, 25 de julho de 2012

Opções para os saudosos "Fighter Mages"

Um guerreiro-mago elfico combatendo um poderoso orc.
Deveras familiar...
Saudações bravos guerreiros arcanos!

Os famosos “fighter-mages” são figures clássicas em nossas mesas desde tempos remotos, e apesar de muito interessantes no sentido interpretativo, são pouco funcionais em termos de regras, especialmente em campanhas de níveis muito elevados.

O que ofereço aqui são dois talentos substitutos para guerreiros e magos de 1º nível, baseados em material publicado no livro Complete Mage para D&D 3.5. Estes talentos tornam a idéia do guerreiro-mago mais viável em termos de regras, sem a necessidade de adaptações mais profundas ou do uso de classes de prestígio que por vezes tornam estes personagens inverossímeis ou poderosos demais.









NOVOS TALENTOS SUBSTITUTOS

MAGO ARMADURADO (Guerreiro nível 01)
Substitui: Proficiência em se lutar com armaduras médias, pesadas, escudos.
Benefício: Seu treinamento o permite usar armaduras leves sem sofrer penalidade de falha arcana. Esta habilidade permite também que se use cotas de malha élficas ou feitas de mitral sem sofrer penalidades de falha arcana.

CONJURADOR EXPERIENTE (Mago ou Feiticeiro nível 01)
Substitui: Habilidade de invocar um Familiar.
Benefício: Você recebe um bônus de 50% em seu nível de conjurador para determinar o efeito das magias que você conhece. Obviamente, seu nível de conjurador não pode ultrapassar seu nível total de personagem. Exemplo: Um mago 04/ guerreiro 04 conjuraria um míssil mágico como um conjurador de 6º nível (4+2)

Estes talentos permitem que um guerreiro mago se beneficie da armadura de um guerreiro logo de início, e que a potência de suas magias não seja tão prejudicada pelo fato dele estar evoluindo duas classes. Sei que isto não “resolve o problema”, mas certamente o ameniza consideravelmente.

6 comentários:

  1. Muito bom,

    faz muito tempo que eu não vejo nada sobre guerreiros-magos...

    Parece que a alternativa foi escanteado pela maioria das pessoas que produzem rpg
    =(

    ResponderExcluir
  2. É verdade, o que é uma pena, pois s trata de personagens muito interessantes de serem interpretados, especialmente para jogadores que gostam de elfos ou meio-elfos.

    Lembro-me do elfo fighter-mage de First Quest; apesar de ser "apenas" um jogo de tabuleiro, o elfo era um personagem muito divertido de ser jogado.

    ResponderExcluir
  3. Rogério "Monge da Dungeon"27 de julho de 2012 11:05

    O Elfo era uma classe da primeira edição do D&D que deve ser a origem-em-regras do Fighter-Mage. A Classe possuía o d6 como DV, usava todas as armas e armaduras como um guerreiro e as magias de mago. Algo parecido com a Classe de Prestígio que acompanha o LdM 3.5.
    Claro que a penalidade para o elfo era pesada: era a maior tabela de experiência do jogo: o Grupo já estava quase no 3º nível quando o Elfo recém estava passando para o 2º.

    Na 3.5 eu gostei o Cavaleiro Arcano do livro Tomes and Blood, e fiz um char legal com ele. Fazendo um desses com foco em magias necromânticas pode-se encarnar o clássico "Dark Knight". O meu era focado em abjuração, minha idéia era ser uma espécie de "anti-mago".

    Flws

    ResponderExcluir
  4. Realmente, hoje é até engraçado lembrar que elfos, halflings e anões antigamente eram "classes". Também gosto bastante de abjuradores...

    ResponderExcluir
  5. Acho interessante a classe de mago-guerreiro. Me lembra o Gandalf lutando em Minas Tirith, empunhando o cajado e a espada.

    A classe é uma alternativa para jogadores que preferem ter outros recursos quando a magia acaba.

    A única desvantagem que percedo em personagens dual-class é ter menos personagens diversificados no grupo. Mas bem, construidos, ficam muito legais.

    ResponderExcluir
  6. Uma das combinações mais legais que existe =D... pena que anda meio esquecida rsrs...

    Não sei por quê, mas para mim TODO elfo que vejo nos contos me dá a impressão de ser guerreiro-mago =D... Talvez por causa dos bons tempos de Hero Quest...

    ResponderExcluir