segunda-feira, 4 de junho de 2012

Histórias de Elgalor: A origem de Artanis

Saudações, nobres aventureiros!

O arqui-feiticeiro Artanis é um dos poucos personagens épicos do mundo de Elgalor, e talvez o mais poderoso conjurador arcano mortal do mundo.

Contudo, Artanis começou como um mero feiticeiro iniciante (personagem de    nível), discriminado em sua sociedade e odiado (justificadamente) por muitos de seus companheiros. Através de alguns feitos nobres e outros hediondos, Artanis adquiriu grande poder, que usaria para atingir seu maior objetivo: Libertar os mortais do "julgo opressor" dos deuses.


Artanis reuniu uma poderosa Cabala conhecida como a Irmandade da Lua Negra, que visa erradicar a influência dos deuses no mundo dos mortais. A história que lerão abaixo foi escrita anos atrás pelo criador do personagem, mais conhecido nestes Salões como o mago Aramil, o Sincero.

Com o tempo, trarei mais informações sobre este e outros personagens importantes de Elgalor. Desejo-vos uma boa leitura.


            "... Meu nome é Artanis. Antes de tudo terminar, este nome nunca será esquecido. Mas, no início, eu não era ninguém. Na verdade, eu era menos que ninguém, menosprezado, incompreendido, e abandonado. Por isso é importante que eu compartilhe minha história, meu legado, minha lenda, para que todos saibam que “um ninguém” conseguiu abater os poderes do céu e devolver aos homens o que pertence a eles por direito de herança: o Poder.

            Há muito tempo atrás, em uma pequena vila, agora esquecida, um simples camponês e sua esposa tiveram seu primeiro filho. Nada de incomum nisto. Eles regozijaram ao verem sua família crescer, principalmente pelo novo membro ser um menino, capaz de ajudar no trabalho de campo. Nada de incomum nisto.

            Esta história aconteceu tanto tempo atrás que ninguém se lembra do verdadeiro nome do nosso pequeno Artanis, nem de sua vila, nem de nenhum dos moradores. É claro que, além do tempo, o próprio Artanis se encarregou de eliminar aqueles que porventura descobriram se lembrassem ou descobrissem disto. Nomes são muito perigosos nas mãos de estranhos.

            A vida seguiu seu curso normal, acordar, comer, trabalhar, dormir. O menino crescia bem, talvez menos do que esperado, mas ainda seria útil no trabalho de guiar o arado, ordenhar as vacas, caçar alguns animais silvestres. Nada de incomum nisto. E, como planejado, ao redor dos 10 anos o menino começou a ajudar seu pai.
            Até os 15 anos sua vida era feita apenas de trabalho rural, daquelas rotinas que soterram os sonhas das pessoas pouco a pouco, sem que elas percebam. Rotinas que entorpecem a mente, dominam o espírito e cansam o corpo. Rotinas que nunca acabam, mas que só tendem a crescer, como um câncer que suga as forças silenciosamente. Nada de incomum nisto.

            Mas, apesar de toda esta existência comum, coisas incomuns aconteciam com freqüência cada vez maior perto da casa desta simples família. A princípio eram acontecimentos pequenos: pequenos objetos deixados fora do lugar, barulhos estranhos à noite, alguns brilhos repentinos inexplicáveis. Mas com o passar do tempo, coisas mais incomuns ocorriam, eventos tão incomuns que chegavam a assustar não só a família, mas toda a comunidade.

            Assim, quando o jovem rapaz atingiu 15 anos, a vila inteira estava convencida que havia algo sobrenatural sobre a nossa pequena família que antes havia sido tão comum.

Quando os pais de Artanis trouxeram um gato para a casa (naquele tempo era crença popular que os gatos afastavam maus espíritos, por existirem tanto no mundo real como no mundo dos espíritos), naquela noite ele misteriosamente sofreu uma combustão espontânea e morreu incinerado. E o mais curioso é que coisas assim ocorriam justamente quando o jovem Artanis estava por perto. Logo, não demorou até que ele fosse acusado destas coisas horríveis.

Assim, estas e outras fofocas, algumas verdadeiras (a minoria), algumas exageradas e outras muito subestimadas, levaram o povo daquela pequena vila (inclusive e, principalmente, o clérigo local) a entregarem um ultimato aos pais de Artanis: ou expulsavam seu filho da vila, ou a família inteira teria de partir.

Não é difícil imaginar o que os pais de Artanis fizeram, visto que eles estavam tão assustados quanto as outras pessoas. Logo, com apenas uma pequena trouxa de pano com alguns itens pessoais, um cajado de caminhar, uma pequena refeição, muitas lágrimas nos olhos e muito mais ódio no coração, Artanis iniciou seu longo exílio da vila que havia servido como sua casa por tantos anos. Abandonado, traído, sozinho.

É claro que todos, ou quase todos, os acontecimentos estranhos foram realmente causados pelo jovem exilado. Mas, foram realmente involuntários, frutos de um incipiente poder mágico, dom que apenas alguns recebem. Apenas os dignos de controlarem tão vasto poder.

A vida no ermo castigou o corpo de Artanis, aquele receptáculo que contém nossa verdadeira essência. Mas serviu para fortalecer seu espírito. Agora, ele só pensava em vingança e sua mente estava cheia de ódio. No entanto, uma mente adolescente cheia de ódio e habilidades mágicas não controladas são uma combinação tão explosiva quanto fogo e pólvora. E provavelmente foi isto que salvou a vida deste rebelde sem causa.

Ao vagar pelo ermo, as explosões ocasionais de pura energia mágica chamaram a atenção de um feiticeiro velho e experiente que vivia em sua torre, isolado por escolha do mundo. O feiticeiro chamado Ragnor observou Artanis de sua torre através de suas habilidades mágicas. Ele logo percebeu o talento do jovem para as artes mágicas e decidiu toma-lo como aprendiz. Não demorou até que o jovem carente de atenção fosse convencido por Ragnor a se tornar seu aprendiz. Assim, Artanis desapareceu por quatro anos, somente saindo da torre após terminar seu aprendizado..."

4 comentários:

  1. Rogério"Monge da Dungeon"5 de junho de 2012 11:35

    Ótimo prelúdio de um personagem tão importante: ao mesmo tempo triste e engraçado.

    Triste pelo que ele passou, mas engraçado porque o grande conjurador teve como primeira manifestação severa de seu poder um legítimo Churrasquinho de Filé Miau!

    Nova Magia para Asgard:

    Magia de Nível Zero:

    Churrasquinho de Filé Miau

    Evocação [Fogo]
    Nível Fe1/Mag0
    Componente: M
    Alvo: 1 Gato
    Resistência: Não tem
    RM: Sim

    Você assa o gato de dentro para fora. O gato conta como refeição para um dia.

    Componente Material: Um Gato

    ResponderExcluir
  2. Nossa, que saudades do Artanis e dos seus dois grupos! Meu personagem preferido até hoje. Que legal que você tirou as teias dessa velha história e publicou, Odin. Mas quero royalties hehe.!

    ResponderExcluir
  3. Hahaha, gostei muito da magia, sábio Monge da Dungeon! A menos que o gato tenha resistência à magia, este encanto garante uma... satisfatória refeição sem muito esforço!

    Aramil, hei de continuar publicando a história até o ponto onde tu escrevestes originalmente. Mas seria interessante se tu desses continuidade a ela. E não te preocupes, pois dividirei contigo cada peça de cobre do que ganho com estes Salões...

    ResponderExcluir
  4. HAHAHAHAHAHAHAHAHA - respira - HAHAHAHAHAHA, adorei a "primeira magia" do Artanis!

    Artanis é um lunático, mas rendeu ótimos momentos nas aventuras.

    ResponderExcluir