sábado, 26 de maio de 2012

Heróis dos Nove Mundos: Bardos

Saudações, bravos escaldos!

Trago-vos hoje uma alternativa mais “viking” para as músicas de bardo disponíveis para os nobres e eloqüentes bardos aventureiros. Espero que apreciem e que possam usar algumas destas canções em vossas saudosas campanhas.

Canção de Thor (3 graduações em Atuação): Todos os aliados do bardo em um raio de 9 metros recebem um bônus de +1 em suas jogadas de ataque e dano com armas de combate corpo-a-corpo e testes para resistir manobras de agarrar. Este bônus aumenta em +1/ 5 níveis do bardo (5, 10, 15 e 20) e dura por até 5 rodadas depois que o bardo pare de cantar.

Canção de Hermod (3 graduações em Atuação): Todos os aliados do bardo em um raio de 9 metros têm seu deslocamento básico dobrado e recebem os benefícios do talento Tolerância. Os efeitos desta canção duram por 1 minuto/ nível do bardo.

Canção de Uller (6 graduações em Atuação): Todos os aliados do bardo em um raio de 9 metros que estiverem usando arcos recebem um bônus de +1 em suas jogadas de ataque e dano. Este bônus aumenta em +1/ 5 níveis do bardo (5, 10, 15 e 20) e dura por até 5 rodadas depois que o bardo pare de cantar.

Canção de Heimdall (9 graduações em Atuação): Todos os aliados do bardo em um raio de 9 metros ficam sob o efeito da magia Ver o Invisível e recebem um bônus de +4 em seus testes de Vontade para identificar ilusões. Os efeitos desta canção duram por 1 minuto/ nível do bardo.

Canção de Tyr (9 graduações em Atuação): Todos os aliados do bardo em um raio de 9 metros recebem um bônus de +4 em seus teste de Vontade para resistir a efeitos de medo. Este bônus aumenta em +1/ 5 níveis do bardo (5, 10, 15 e 20) e dura por até 5 rodadas depois que o bardo pare de cantar.

Canção de Loki (12 graduações em Atuação): Todos os inimigos do bardo com até 5 DV em um raio de 9 metros devem fazer um teste de Vontade (CD 10 + ½ nível do bardo + ajuste de carisma). Aqueles que não passarem no teste ficam sob o efeito da magia Riso Histérico de Tasha durante 1d4 +1 rodadas. Os adversários que passem no teste de Vontade ficam imunes a esta canção durante um dia inteiro.

Canção de Balder (15 graduações em Atuação): Todos os aliados do bardo em um raio de 9 metros recebem cura acelerada 5. Os efeitos desta canção duram até 5 rodadas depois que o bardo pare de cantar.

Canção de Freya (15 graduações em Atuação): Todos os inimigos do bardo em um raio de 9 metros devem fazer um teste de Vontade (CD 10 + ½ nível do bardo + ajuste de carisma). Aqueles que não passarem no teste ficam sob o efeito da magia Sugestão. Os adversários que passem no teste de Vontade ficam imunes a esta canção durante um dia inteiro.

Canção de Odin (18 graduações em Atuação): Todos os aliados voluntários do bardo em um raio de 9 metros são afetados pela Fúria Bárbara, recebendo +4 em Força e Constituição, +2 em testes de Vontade contra magias de encantamento e – 2 em sua CA. Os efeitos desta canção duram até 5 rodadas depois que o bardo pare de cantar.

Canção dos Portões de Valhalla (23 graduações em Atuação): O bardo abre os portões de Valhalla e invoca 2d4 +2 bárbaros de 6º nível para lutar ao seu lado. Os bárbaros invocados obedecem todos os comandos do bardo dentro do combate, mas nunca batem em retirada. Eles permanecem junto ao bardo durante 10 minutos/ nível do bardo ou até serem destruídos. Esta canção só pode ser usada uma vez por dia.

6 comentários:

  1. Rogério"Monge da Dungeon"28 de maio de 2012 15:48

    Oh! *_*

    Um bardo mecanicamente funcional!

    Esse vai pra minha lista de futuras classes para jogar.

    ResponderExcluir
  2. Hahaha, fico feliz que tenhas gostado, nobre monge.

    E sejas bem vindo aos Salões de Valhalla!

    ResponderExcluir
  3. Muito interessante,
    gostei especialmente dos nomes das habilidades que caracterizam bastante o bardo no seu cenário.

    Por melhor que seja sua mecânica, o nome das habilidades tbm trazem um diferencial na hora do jogador vai escolher a classe.

    ResponderExcluir
  4. Rogério"Monge da Dungeon"29 de maio de 2012 17:44

    Condordo Jacome.

    O bardo "original" infelizmente carecia de uma boa mecânica, afinal era um pouco mais do que um "mago-engraçadinho-semi-nerd".

    Existe também o outro extremo que é ter um nome bacana Tipo Mega-martelaço-de-odin-partidor-de-mundos-conhecidos-e-desconhecidos e descobrir que você ganha + 1 em testes de ofício: cozinhar... só pra amaciar um bife com um martelo.

    Sempre que me lembro de um bardo, não me vem nas idéias um "mago" mas alguém com encantamentos REALMENTE relacionadas com suas músicas, ao invés de fazer um amalgama mal feito de todas as classes básicas. Até o Factotum me pareceu mais legal que o bardo original.

    Essa versão que o Odin fez foi ótima porque existe um link significativo do Bardo com o cenário em si dado que as músicas possuem um "link" efetivo com os deuses. A inspiração dos bardos das culturas ancestrais vinham justamente dos deuses. Basta ler sobre o xamanismo celta e os textos gregos clássicos que temos a perfeita idéia da relação: bardo-deus.

    Inté! =D
    =D

    ResponderExcluir
  5. Bem observado... os bardos celtas, gregos ou os contadores de histórias de tribos xamanistas sempre possuíram um forte vínculo com o divino. No caso dos celtas, em especial, os bardos possuíam forte ligação com os druidas.

    Por isso, faz mesmo mais sentidos ligá-los a forças divinas do que a uma amálgama entre magos/ladinos.

    ResponderExcluir