quarta-feira, 16 de novembro de 2011

Blades & Magic: Aptidões

As Aptidões em Blades & Magic são dons e poderes que caracterizam classes e raças. O ponto interessante das Aptidões é que elas possuem níveis que podem ser evoluídos usando pontos de experiência. Usando 2 pontos de experiência, um personagem evolui um nível em uma Aptidão escolhida. Assim, um personagem pode escolher entre aprender várias Aptidões de classe ou se especializar em uma ou duas Aptidões de Classe ou Raciais.

Cada raça começa com 4 Aptidões Raciais de nível 1 e cada classe começa com 2 Aptidões de Classe de nível 1 (uma única, a “marca” da classe e outra a escolha do personagem). Usando 2 pontos de experiência, um personagem evolui um nível em uma Aptidão escolhida ou adquire uma nova Aptidão de Classe. Assim, um personagem pode escolher entre aprender várias Aptidões de classe ou se especializar em uma ou duas Aptidões de Classe ou Raciais.





Exemplo de Aptidão Racial

FILHOS DA TERRA E DO AÇO (anões)
• Nível 1: Você recebe um bônus de + 2 em seus testes de Físico e Presença para resistir a efeitos mágicos ou a venenos.
• Nível 2: O bônus recebido aumenta para +3
• Nível 3: O bônus recebido aumenta para +4
• Nível 4: O bônus recebido aumenta para +5
• Nível 5: O bônus recebido aumenta para +6

Exemplo de Aptidão de Classe

POSTURA DE COMBATE (guerreiros)
• Nível 1: Você pode optar por adotar uma postura ofensiva (recebendo um bônus de +1 em seu Dano) ou defensiva (recebendo um bônus de +1 em sua Defesa). As posturas de combate podem ser trocadas a cada rodada.
• Nível 2: os bônus conferidos aumentam para +2.
• Nível 3: os bônus conferidos aumentam para +3.
• Nível 4: os bônus conferidos aumentam para +4.
• Nível 5: os bônus conferidos aumentam para +5. 

11 comentários:

  1. Legal! Gostei da história de níveis nas aptidões. Esta ficando bom o sistema. Não sei se entendi, mas pelo visto os pontos de experiência são o foco para se evoluir as características dos personagens. Se for isso mesmo, seria legal um capítulo bem descrito determinando como deve ser feita uma boa distribuição de experiência em cada aventura para que não desbalance o jogo.

    Abração e parabéns!

    ResponderExcluir
  2. Concordo com o irmão hobbit! Este sistema está ficando muito, muito bom, grande Pai!

    É fantástico poder evoluir tanto suas características de classe quanto as de raça usando os pontos de experiência. Se possivel, eu gostaria de ver a explicação do que podemos fazer com os pontos de experiência, assim como o Frodo disse.

    ResponderExcluir
  3. Cara, o sistema ta cada vez melhor!
    Tenho uma pergunta, o jogador pode evoluir os atributos? Eu ACHO que não ja que ja começa com muitos pontos de atributos, se puder, aconselho que custe muitos pontos.

    ResponderExcluir
  4. Grato pelos comentários e elogios, nobres amigos!

    Atendendo a vossos pedidos, mostrarei a tabela que explica o que pode ser feito gastando-se pontos de experiência, e como a experiência "deve" ser dada a cada aventura.

    Quanto aos atributos, nobre Medieval Tales, eles poderão ser aumentados, mas uma vez que o ajuste do atributo aumenta de dois em dois (18-19 dá +4 de bônus, 20-21 +5 e assim por diante)acredito que não haverá desequilíbrio. Ainda assim, haverá mesmo um custo maior para eles.

    Minha ideia é que subir um atributo é tão difícil quanto adquirir/ evoluir uma aptidão ou aprender uma magia. Mas discutiremos isso melhor no próximo pergaminho...

    ResponderExcluir
  5. O esquema ficou genioso mesmo. Mandou bem, Odin.

    ResponderExcluir
  6. Realmente isso de evoluir é bom, mas acho que os bônus se elevam d+ para uma rolagem de 2d6 onde outros bônus ainda se aplicaram... Quanto as classes que começamos a debater, o nobre poderia pegar uma faceta do general, mas como há muitas classes não aconselho sub-especializações pra não sobrecarregar o sistema, e de acordo com o que foi dito, as classes terão bônus de ataque e defesa, caso não haja tabelas, e uma classe viesse a possuir de 3 a 5 aptidões creio não ser difícil colocar todas... Finalmente acho que uma postura ofensiva deveria conceder +1 de ataque e não dano, um +1 de ataque poderia ser convertido em +1 de dano, caso haja uma aptidão estilo ataque poderoso/guarda segura ( retirar defesa e aumentar RD)...

    ResponderExcluir
  7. Sim, as classes terão 4 aptidões cada, e justamente por isso acredito que talvez seja possível colocar todas no primeiro livro. Evidentemente, outras como o General/ Capitão/ Nobre poderiam ser reunidas em um livro complementar gratuito. Uma de minhas ideias com o B&M era publicar ao menos um livro gratuito/ano com contribuições dos jogadores.

    Quanto aos bônus, eles de fato ficam proporcionalmente altos para um sistema que utiliza 2d6, mas minha ideia de início era justamente valorizar a habilidade em detrimento da sorte nos dados. O combate ofensivo coloca o bônus no dano porque o ataque pode ser aumentado usando pontos de experiência (veremos no próximo pergaminho), mas o dano não. Além disso, quando se luta ofensivamente em um combate real, atacamos mais vezes e com mais força, mas nossa acuidade não é melhorada na mesma proporção.

    ResponderExcluir
  8. Dizem que 2d6 e 3d6 são rolagens balanceadas por sisó, mas rolar 2d6 +10 por exemplo em teste com dificuldade 15 me pare um pouco exagero...
    A questão realista da ofensiva varia na real de estilo pra estilo, e se fosse mais vezes caberia um ataque extra (como na esgrima)...
    4 habilidades por classe é bom...
    Estou ansioso pelo próximo pergaminho boa sorte odin!

    ResponderExcluir
  9. Sim, 2d6+10 em um teste dificuldade 15 realmente retrata uma situação que beira o exagero, pois seria colocar um personagem extremamente habilidoso em uma área para fazer um teste de dificuldade mediana.

    Mas isso é o mesmo que colocar um bárbaro com bônus de ataque + 20 para lutar contra um orc de CA 15 em D&D. Algo nem um pouco desafiador, mas que por vezes acontece...

    ResponderExcluir
  10. Esse tipo de preculpação (em realção ao desequilíbro) a gente deve ver so depois de lançado o livro (a menos que seja um desequilibrio evidente), para que possamos fazer os play testes e ver se há realemnte desequilibrio em certas partes.

    ResponderExcluir
  11. É verdade, de fato há coisas que só de pode perceber ou sentir de fato com um playtest.

    ResponderExcluir