sábado, 30 de julho de 2011

Conan em ASGARD RPG: Aquilônia

Um pouco sobre a poderosa Aquilônia...

Junto com sua rival Nemédia, a Aquilônia é o reino mais avançado, rico e poderoso das nações hiborianas, e seu povo é correspondentemente orgulhoso. Sua capital era a reluzente e altiva cidade de Tarantia.


Conan eventualmente se tornou rei da nação, se mostrando um monarca forte e honrado, bem quisto pelo povo e soldados, mas nem um pouco amado pela nobreza. A Aquilônia Correspondia à atual França de nosso mundo, e se tornou o maior e mais altivo império da Era Hiboriana, conquistando ou tornando tributárias diversas outras nações, tais como Argos, Ophir, Corinthia e até mesmo Shem. Mesmo antes de Conan, a Aquilônia era uma das nações mais poderosas de toda a história da Era Hiboriana, com um nível cultural muito avançado e com fronteiras que apresentavam uma estabilidade comparável ao reino de Hiperbórea.

A Aquilonia era composta por várias províncias, das quais as mais importantes eram:
Poitain, ao sul, que mantinham um intenso contato cultural e comercial com os zíngaros.
Gunderlândia, ao norte, com uma cultura mais fiel a das tribos hibóreas originais.
Attalus ao sudeste, que eram grandes comerciantes.
Bossônia, que durante alguns períodos se manteve independente.

RELIGIÃO: O panteão aquiloniano estava regido por Mitra, que em muitas regiões era tratado como o deus único. A Aquilônia sempre se caracterizou por uma relativamente grande liberdade religiosa, e esta característica se tornou mais marcante durante o período em que Conan estava no trono. Sacrifícios humanos não eram praticados na Aquilônia, uma vez que o culto de Mitra repudiava tal prática.

EXÉRCITO: O exército do país vinha de diversas origens. As unidades mais expressivas e conhecidas eram:
Cavalaria pesada, normalmente concentrada na região da Tarantia.
Lanceiros extremamente bem treinados, oriundos da Gunderlândia
Arqueiros bossonianos, considerados os melhores do mundo hiboriano, e principal linha de defesa da Aquilônia contra os pictos.


FIM DA AQUILÔNIA
O papel da Aquilônia na queda dos povos hiborianos foi decisivo, já que sua política imperialista e opressora causou grande descontentamento entre seus súditos, principalmente entre os bossonianos. 500 anos após o reinado de Conan, a Aquilônia foi praticamente varrida do mapa por causa da arrogância e tolice de seus imperadores, que não protegeram sua fronteira oeste e além disso massacraram os bossonianos, pelo fato destes terem abandonado a campanha militar contra a Nemédia para socorrer seu próprio povo das investidas pictas.

Quando as tropas imperiais da Aquilônia massacraram os bossonianos por sua “traição”, ficou evidente que os bossonianos eram o único verdadeiro obstáculo ao avanço dos pictos; com a destruição deles, criou-se um vazio defensivo terrível, por onde os pictos invadiram a Aquilônia, ceifando a vida de todos que encontravam em seu caminho, alterando drasticamente os rumos da história da Era Hiboriana. Por um bom tempo o território da Aquilônia ficou em posse do Império Picto, até que este começou a se deteriorar ante as investidas dos hirkanianos, cimérios e aesires.

CLASSES DE PERSONAGENS: Um personagem nativo da Aquilônia ou de uma de suas “províncias”, pode ser muito bem caracterizado de diversas formas:
Guerreiros ou mesmo bárbaros especializados no combate com lança (nativos da Gunderlândia).
Escaldos viajantes ou trovadores reais pertencentes à região da Tarantia.
Guerreiros ou rangers especializados no uso do arco (nativos da Bossônia)
Paladinos a serviço do rei ou imperador da Aquilônia, representando a cavalaria pesada do reino.

Ladinos mais habilidosos também podem ser encontrados com facilidade em grandes centros comerciais, assim como bárbaros e shamãs (druidas) próximos às fronteiras do reino. Clérigos de Mitra também existem em boa quantidade por todo o reino, mas seus poderes diferem um pouco daqueles apresentados em ASGARD RPG, como veremos futuramente.

2 comentários:

  1. Nossa Odin, muito bom o post. Acho que essas adaptações estão ficando muito legais!

    ResponderExcluir