sábado, 14 de maio de 2011

Dungeons and Dragons nos Nove Mundos

Saudações, nobres aventureiros!

Atendendo a alguns pedidos, iniciarei uma série de pergaminhos sobre as ambientações Nove Mundos e Elgalor usando as regras de D&D 3.5 com algumas modificações, que tentam retratar melhor o clima de aventura e perigo destes cenários. Reforço que não há nada de errado ou infantil em D&D, e que aqui apresentarei apenas uma forma diferente de usar certos elementos do sistema.

As regras para Elgalor e para os Nove Mundos serão praticamente iguais; Em Reinos de Elgalor teremos material para o cenário Elgalor, e nos Salões de Valhalla, material para os Nove Mundos.

As alterações visam abordar dois pontos principais:

• Tornar o sistema mais “realista”, buscando combates similares àqueles que lemos em grandes obras e vemos em bons filmes de fantasia medieval.

• Fazer com que as campanhas narradas sejam verdadeiramente épicas, e não necessariamente histórias de super heróis, como vemos em níveis elevados, onde um mago élfico possui mais pontos de vida do que um ogro ou um troll.

Entre as principais sugestões que serão apresentadas teremos:

• Pontos de vida fixos
• Defesa no lugar da Classe de Armadura (semelhante ao que temos em Star Wars RPG)
• Armaduras e magias que agora fornecem Redução de Dano aos personagens.
• Um sistema de magias sutilmente mais simples, onde os conjuradores não precisam preparar magias.
• Fim de “combos de magias” que muitas vezes triplicam a capacidade combativa de um personagem.
• Redução no número de ataques que personagens e monstros dão a cada rodada.
• Novas magias não combativas.

Evidentemente, é possível realizar uma campanha em Elgalor ou no Nove Mundos utilizando D&D em sua versão normal, mas estas mudanças farão com que seja possível realmente compreender e vivenciar o clima destes cenários.

Conto com vossos comentários trazendo críticas e sugestões quanto a este projeto.

7 comentários:

  1. Odin, acabei de ler o mesmo post tanto lá no RdE qto aqui. Como os dois cenários sairão com o mesmo sistema, não seria melhor criar um "selo" q identificasse esse novo sistema então?

    Ah sim. Até agora, nada a reclamar e muito a elogiar pelo q tenho visto até agora. Contudo, tudo o q temos visto é texto, e embora isso seja o centralmente importante de um RPG, arte é o glacê em cima do bolo. Bom... Seria legal uns previews com ilustrações tb.

    Já disse e repito. Pelo q tenho visto, Elgalor e 9 Mundos têm muita coisa para desbancar Tormenta (fora o jabá deles). Bom, pedi pra alguém da RedeRPG falar a respeito até. Eles entraram em contato?

    ResponderExcluir
  2. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  3. Salve, grande Pai de Asgard!

    Acompanho vossos salões há menos de três meses, mas concordo com Hayashi. Os cenários que o senhor está criando parecem mesmo muito bons, e seria ótimo se pudéssemos ver algumas ilustrações, pois ajuda a imaginar melhor o clima todo da coisa. Também não aprecio muito Tormenta, e acho que é hora de termos sangue novo nestas paragens.

    Outra coisa que digo, é que como vocês já criaram um sistema de regras, o Asgard, não vejo por que adaptar o d&d para usar nos cenários. Como pediste sugestões, acho que seria melhor gastar o tempo e espaço que usaria nas regras variantes com mais descrições dos cenários em si.

    Só uma sugestão.

    Por último, andei pesquisando sobre este tal de "Gronark" por aqui, e se ele estiver voltando, pode contar com minha espada negra ao seu lado!

    Estarei observando nas sombras...

    (isto significa que não vou postar muitos comentários)

    ResponderExcluir
  4. Grato por teus cumprimentos, amigo Hayashi. Prometo que irei trazer algumas ilustrações internas de ASGARD RPG a estes Salões. Quanto ao selo, criaremos de fato um selo próprio, que será usado no material para os dois cenários.

    E sejas bem vindo aos Salões de Valhalla, Black Knight! Admito que tua sugestão me surpreendeu de início, pois julgava que aquilo que melhor serviria a vós, meus amigos e irmãos de armas, seria uma adaptação dos cenários para um sistema amplamente jogado.

    Todavia, teus argumentos me convenceram de que um bem maior realmente seria feito se eu me dedicasse mais a descrições dos cenários e perigos e deixasse as regras alternativas por conta dos mestres de cada mesa. E como bem dissestes, temos ASGARD RPG como sistema oficial, então realmente adaptações de D&D seriam de certa forma desnecessárias.

    Agradeço por tua espada caso Gronark ou Loki voltem a testar os limites de minha paciência, e agradeço a ambos por suas sábias e preciosas considerações.

    ResponderExcluir
  5. Bom, sempre há a opção de usar os dois sistemas nos livros. À maneira q a AEG (burramente) fez na série Secrets of Clans de L5R. Basicamente, sempre q aparecia uma regra para o sistema original (R&K, na época, da 2ª edição), seguia a mesma regra funcionando para D&D.

    O grande problema é q isso foi feito numa paginação zoneada, uma composição caótica em preto e branco negativo (fundo preto, letras em branco) o q era praticamente jorrar ácido no olho depois de meia hora de leitura. Bom, e acho q todo mundo sabe o q é jogar L5R com d20...

    De qq forma, a idéia não é má. Só requer muito cuidado para não ser mal executada. E, claro, estar preparado pro fato disso aumentar o número de páginas em praticamente x1,5.

    ResponderExcluir
  6. Realmente é o caso de colocar tudo em uma balança e ver o que vale mais à pena. Mas acho que trabalhar dois sistemas juntos em um livro vai mesmo ser complicado.

    ResponderExcluir
  7. Mais uma vez agradeço vossas sábias palavras, nobres irmãos. Ambos estão corretos.

    Minha intenção é trabalhar nos livros apenas o sistema ASGARD RPG, e eventualmente fazer adaptações para D&D aqui, nos Salões de Valhalla.

    Mas após vossas considerações, decidi que hei de dedicar mais tempo a colocar material descritivo do que regras de D&D nestes Salões.

    ResponderExcluir