terça-feira, 1 de março de 2011

Gods of Asgard: Balder, o Justo

Balder
Posto Divino: 15 (Divindade Intermediária)
Tendência: Neutro e Bom
Domínios: Bem, Sol, Proteção e Cura
Arma Predileta: Espada longa

Balder, conhecido como Balder o Belo e Balder o Justo, é o mais compassivo e um dos mais nobres Aesires de Asgard, sendo conhecido como, um deus ligado à justiça e sabedoria.

Não se sabe se ele reamente era filho de Odin e Frigga ou apenas um de seus vários protegidos, mas devido a sua nobreza de espírito e perícia com armas, ele era tratado como igual entre os mais poderosos dos Aesires.

Balder disseminou a boa vontade e a paz em todos os lugares que visitou, o que fez dele um dos deuses mais amados em Midgard. Sua popularidade e bondade inata atraíram a ira de Loki, um filho de gigantes que tramava o mal. Um dia, Balder passou a ser atormentado por estranhos pesadelos, um sinal da morte iminente, e isso acabou perturbando todos os deuses.

Depois de muitos problemas, Odin determinou o destino de Balder e tomou algumas precauções para evitá-lo, enviando Frigga com a missão de obter um juramento de todos os seres vivos e não vivos de que não iriam fazer mal a Balder. Porém, Loki se disfarçou de mulher e teve uma conversa com Frigga, descobrindo que uma pequena planta, o visco, não prestara o juramento, pois Frigga a julgara inofensiva a Balder por ser muito jovem.

Para provar a Balder que seus pesadelos não se tornariam realidade, Odin organizaou uma festa onde os deuses atiravam todo tipo de coisas em Balder, as quais sempre se desviavam de seu alvo. Havia um, porém, que não participava da brincadeira,Hodr, irmão cego de Balder. Loki, disfarçado, perguntou a Hod por que ele também não participava, e este respondeu que não sabia em que direção atirar. Aceitando a sugestão de Loki, Hod atira uma flecha feita de um ramo de visco no coração de Balder, que no mesmo instante caiu morto.

Frigga pede para Hermod ir ao submundo trazê-lo de volta. Para não provocar a ira de Odin, Hel concorda, mas estipula a condição de que todos os seres presentes na festa derramassem uma lágrima espontânea por Balder. Todos os deuses então choram a morte de Balder, mas a tentativa é novamente frustrada por Loki, que disse que não o faria. Assim, Balder não ressucitou como Loki desejava, mas naquele momento ele atraíra para si a fúria e inimizade de todos os deuses de Asgard.

A bela Nanna, uma deusa benevolente e bela que era a esposa de Balder, se atirou na pira funerária do deus para habitar Hel com seu marido. O filho dos dois, Forseti, era uma divindade menor da justiça, e em honra ao pai, ensinou aos mortais de Midgard como fazer as chamadas Things, que eram as assembléias dos homens livres.
Está previsto pelas Nornes que Balder e Nanna hão de ressucitar após o Ragnarok, e ambos conduziram o mundo dos deuses e dos homens a uma era de paz e justiça.

4 comentários:

  1. Balder é um deus exemplar e essa sua história do retorno pós-ragnarok serve de arma para quem tenta justificar o cristianismo como uma consequencia natual ao abandono do paganismo.

    ResponderExcluir
  2. Esse Loki é o cara. Essas pegadinhas são excelentes!!

    ResponderExcluir
  3. Concordo contigo, J Neves IV; Além disso, há escritos que revelam que o cristianismo só foi aceito naquelas terras por conta da lenda de Balder.

    E tu não deixas de ter razão também, Zook...

    ResponderExcluir