sábado, 19 de fevereiro de 2011

A história de Mjolnir (Parte I)

Está é uma longa história:

“Um dia, por mera brincadeira, Loki cortou todo o cabelo de Sif, a esposa de Thor. Quando o deus do trovão ouviu os gritos e choros de sua esposa e descobriu o que havia ocorrido, ele foi atrás de Loki (que havia se escondido) e jurou que quebraria todos os ossos do corpo do deus da trapaça. Loki, contudo, prometeu a Thor que repararia o dano e tornaria o cabelo de Sif ainda mais belo, pois pediria aos mestres anões de Nidavellir que criassem novos cabelos para Sif, feitos com fios de ouro e que cresceriam normalmente na cabeça da deusa.

Os anões criaram o cabelo de ouro exatamente como Loki pedira. O deus da trapaça era astuto, e sabia que quando aquela história chegasse ao ouvido de Odin, o Todo Poderoso ficaria furioso. Para evitar a ira de Odin, Loki pediu que os anões fizessem ainda mais dois tesouros para o Pai dos deuses. O primeiro era Skidbladnir, um imenso barco que poderia facilmente carregar todos os Aesir de Asgard para batalha, e que tinha velas nas quais sempre soprava um forte vento. Posteriormente, este barco foi dado ao deus Frey. O segundo presente foi Gungnir, a poderosa lança de Odin.

Sabendo que não teria mais problemas com os deuses, a mente de Loki começou a tramar novamente; assim, ele provocou o anão ferreiro chamado Brokk e apostou que que ele e seu irmão Eiti não seriam capazes de criar três tesouros que superassem os três os filhos de Ivaldi haviam criado. Se eles conseguissem, Loki prometeu lhes dar sua cabeça.

Os anões, que desprezavam Loki, aceitaram o desafio, e Eiti pegou seu martelo e foi para forja, enquanto Brokk usava um instumento para soprar sobre ela para mantê-la na temperatura certa. Assim, Brokk e Eiti começaram a trabalhar... ”

7 comentários:

  1. Bem interessante a história! Estou aguardando a continuação!

    ResponderExcluir
  2. hum, agora fiquei curioso... quando achei que a história ia engrenar, acabou!

    ResponderExcluir
  3. Deixa para a sequência!

    Aguardar o próximo

    ResponderExcluir
  4. Perdão, sábio clérigo.

    A história era um pouco grande para apenas um pergaminho, mas logo teremos a continuação.

    ResponderExcluir
  5. Thor agradece o presente usando-o na cabeça de quem o fez. Bruto bagarai

    ResponderExcluir
  6. Tordek, o mestre da forja do clã Balderk.20 de janeiro de 2013 22:24

    É claro que a arma digna de um deus do trovão só poderia ter sido forjada por mestres anões no calor das estrelas.Toda vez que ouvirem o som do trovão, lembrem-se de pensar 2 vezes antes de enfrentar um oponente que possua as armas e artefatos anões. Principalmente se tais peças forem fabricadas pelo meu martelo. Tenho a incrível habilidade de tornar o guerreiro mais estúpido tão destrutivo quanto o grimório dos delicados elfos.

    ResponderExcluir