sábado, 12 de fevereiro de 2011

Halls of Heroes: Lorde Aleister, o Caído (Parte III)

Por Rafael Nicoletti

"... Com a morte de Mordratt pelas mãos de Jonathan, os servos menores do Baatezu, agora sem líder, começarem a seguir as ordens do ex-paladino.
Jonathan passou a buscar, nos Nove Círculos de Baator, alguma maneira de retornar para Toril. Enfrentou muitos desafios, fez alianças e inimigos em seu tempo naquele lugar infernal.

Em uma de suas buscas, foi levado a ficar frente a frente com Mephistopheles, o lorde do oitavo círculo, conhecido como Cania. Depois de fazer um acordo com o Arquiduque, Jonathan teria acesso a grande biblioteca que ele possui em seu castelo na cidadela de Mephistar, depois de "cuidar" de um inimigo de Mephisto.

Esta biblioteca é famosa por conter vários tomos e segredos do inferno; talvez também possui-se algo mencionando como sair dele. Jonathan procurou e procurou, até que viu um tomo interessante. Em sua capa lia-se "Os grandes magos infernalistas". Nele continha uma lista de nomes de magos que possuíam pactos com os diabos, ou que trabalhavam para eles. Para a interrogação de Jonathan, o nome Vanderin Devilife não constava lá. O mago que conjurou todos aqueles diabos, até mesmo Krazzt´hul, não era conhecido por eles.

Sem entender, Jonathan foi perguntar diretamente a Mephisto, que com um sorriso sarcástico lhe explicou: "Aquele crápula? Nós não tínhamos nada a ver com seus planos. Seus planos vinham do lado oposto."

Jonathan continuou sem entender. Mephisto continuou: "Devilife tinha sim poder de convocar os mais fracos dentre nós; mas ele era contra nós. Ele usava sua magia para nos aprisionar, ou mandar-nos de volta para cá se estivéssemos em seu plano . Porém, veja como a vida é irônica. Ele era seguidor de Tyr, o deus da Justiça; e um certo dia, esse deus resolveu intervir em um pequeno desequilíbrio que estava acontecendo em um vilarejo. Um Baatezu disfarçado assumiu o lugar do regente, e estava usando seu poder sobre a população para tentar dominar aquela área."

"Tyr, sabendo do acontecido, teve que intervir. Apareceu para Devilife e ordenou-lhe que resgatasse o vilarejo e impedisse o diabo-regente, de qualquer maneira. E que maneiras um mago como Devilife faria isso se não fosse combatendo fogo contra fogo? Tyr, "o justo", ainda lhe disse para não parar até encontrar o Baatezu (que fugiu quando o mago veio para o vilarejo), e que todos que tentassem impedi-lo provavelmente eram servos do diabo."

"Veja. Tyr é o deus da Justiça. E a justiça nada mais é que uma balança, que nunca deve pender para um lado ou para outro. Todos são iguais e todos devem ter os mesmos direitos. E Tyr sabe que para garantir isso, certas vezes, deve-se sujar as mãos. Não é que ele esteja fazendo o mal, já que, como no final a justiça estará preservada, o Bem está sendo feito". E completou com mais um sorriso sarcástico.

Jonathan não conseguia acreditar naquilo. Sua expressão de surpresa misturada com pavor foi nítida. Mephisto ainda disse: "Se não acredita em mim, pergunte sobre Devilife para qualquer um. Pergunte à Asmodeus. Se não acredita na palavra de nenhum diabo, quando voltar para seu plano, se voltar, vá à uma igreja de Tyr e pergunte sobre Devilife".

Jonathan não podia acreditar que sua amada morreu por causa do deus que ele venerava. Não era possível. Seus olhos vermelho-sangue acenderam-se como uma chama de pura ira. Ele virou as costas para Mephistopheles e foi embora sem dizer uma palavra. Aquilo não acabaria ali...

Jonathan, ou a pessoa que antigamente era chamada assim, vagou por mais algum tempo por Baator. Não se sabe ao certo como ele conseguiu retornar ao plano material. Alguns especulam que ele teria cumprido sua missão e libertado Levistus de sua prisão de gelo, e como recompensa o Arquidiabo teria lhe ensinado um jeito de retornar. Outros acreditam que ele fez um pacto com o próprio Asmodeus para conseguir voltar para Toril. A única coisa que é certa é que ele conseguiu voltar.

Um dos primeiros relatos de sua aparição em nosso mundo foi feito por um jovem clérigo seguidor de Tyr. Ele se encontrava na igreja de Tyr localizada em um forte perto da fronteira da Terra dos Vales com Cormyr. Estava orando para seu deus perto dos portões abertos do forte, quando avistou no horizonte uma figura humana em cima de um cavalo. A armadura totalmente negra se confundia com a pelagem de igual cor do cavalo. Cabelos brancos esvoaçantes ao vento. Se aproximava do forte.

O jovem clérigo correu para dentro da igreja em pavor. Depois veio a saber que a estranha figura, após interpelada pelos soldados, disse que apenas queria conversar com o sacerdote de Tyr que ali se encontrava.

O clérigo se encontrava atrás do alto-sacerdote quando o misterioso homem entrou na igreja e veio conversar. Ao ver os olhos cor de sangue do homem o jovem sentiu um calafrio. O homem perguntou sobre um seguidor de Tyr chamado Vanderin Devilife. O sacerdote prestativamente respondeu que ele era um antigo mago e devoto de Tyr, que tinha muita fé em seu deus. Porém, havia muito tempo que não tinham notícias dele, depois que ele fora embora para o sul. Sem mais uma palavra, o homem deu as costas à ambos e foi embora.

Agora Jonathan estava convencido que aquilo era verdade. Foi por uma obra mal calculada de seu antigo deus Tyr que sua amada estava morta e ele tinha sofrido tudo o que sofreu. Por fora, sua expressão era fria como o clima de Stygia. Por dentro, seu coração ardia com as chamas da vingança. Não importava como, ele acharia uma maneira de vingar sua amada Ellaniee. Puniria o verdadeiro culpado. Mataria Tyr.

A armadura inteiramente negra ficou sendo sua marca registrada, assim como seus longos cabelos brancos. Jonathan estava morto. Morreu ao cair do desfiladeiro lutando com Krazzt´hul. Naquele momento ele se tornara Lorde Aleister, o caído.
Sua fama cresceu entre os faêrunianos. Sua dedicação em sua causa o levou a uma busca incessante de alguma arma mágica ou uma magia que tivesse o poder de matar um deus maior. Cruzou o caminho de várias figuras poderosas de Faêrun; inclusive Szass Tam e até mesmo Elminster. Faz uso de todos os meios para conseguir a posse de algum artefato que possa ser poderoso o suficiente para ajudar em sua causa, mesmo que isto implique em realizar atos imorais e de pura maldade. Se não consegue o que quer por bem, consegue por mal.

Atualmente, sabe-se que possui uma base de operações em algum lugar no vasto deserto de Anauroch. Ao buscar conhecimento sobre o império de Netheril, logo ficou sabendo que este era um império de grande magia, e que os nethereses chegaram até mesmo a desafiar os deuses. Talvez nas ruínas deste grande império caído haja alguma magia que lhe sirva para seu objetivo final. Seus servos, que em sua maioria vieram com ele do inferno para o nosso mundo, sempre estão empenhados em procurar artefatos mágicos e magias perdidas nas ruínas escondidas no deserto; ou estão travando guerras contra os seguidores de Tyr. Ninguém fica no caminho entre Aleister e seu objetivo.

Lorde Aleister sempre está pensando em algum plano, ou pesquisando sobre antigos artefatos ou magias perdidas, ou ainda criando alianças com poderosos seres de Faêrun ou outros planos de existência; tudo que possa lhe proporcionar a conquista de seu objetivo: A morte do deus da justiça, Tyr."

2 comentários:

  1. Foi uma conclusão realmente interessante.

    ResponderExcluir
  2. espero q gostem da conclusão da história...
    creio q ela foi inesperada para a maioria dos leitores... hehehe
    abs

    ResponderExcluir