quarta-feira, 12 de janeiro de 2011

Halls of Quests: A busca de Galleon

“Galleon é um guerreiro élfico forte e sábio, e um dos principais generais de sua comunidade, a cidade élfica de Ilithian, localizada na bela Floresta do Gelo, no extremo norte do reino de Anghor. Sua noiva, Sierra, é uma feiticeira dotada de grandes poderes, e ambos aguardavam ansiosamente pela chegada da primavera para a realização de sua cerimônia de casamento.

Nas últimas semanas do inverno, os elfos travaram uma guerra terrível contra os orcs que viviam em uma região próxima, e Galleon precisou se ausentar durante quase nove dias com grande parte dos guerreiros de Ilithian. A batalha foi duríssima, mas terminou com a vitória dos elfos. Todavia, quando Galleon retornou a Ilithian, descobriu que a cidade havia sido atacada por elfos negros enquanto estava desprotegida, e que a bela Sierra havia sido raptada.

Após algumas investigações feitas pelos druidas e magos da cidade, eles descobririam que Sierra havia sido levada para as catacumbas que ficavam abaixo da Floresta da Teia Negra, que era habitada por diversos tipos de aberrações e mortos vivos, além de ser lar de um clã de elfos negros. Ainda segundo os magos, aparentemente os elfos negros haviam entregado Sierra a uma bruxa chamada Babaiaga, que vivia nas catacumbas.

Como os elfos daquela região sabiam, a Babaiaga recrutava feiticeiras poderosas e depois de alguns rituais, as controlava magicamente, e elas se transformavam em bruxas também, as chamadas “Irmãs da Noite”. Segundo as lendas, a única forma de matar Babaiaga era usando uma arma que houvesse sido abençoada por uma pedra, chamada pelos elfos de Chifre do Unicórnio. Os elfos possuíam tal jóia em Ilithian, mas ela havia sido roubada pelos elfos negros durante seu ataque.

Sem hesitar, Galleon reuniu seu equipamento, algumas poções de cura e proteção e rumou para a Floresta da Teia Negra, onde teria que enfrentar os elfos negros para recuperar o Chifre do Unicórnio para então confrontar Babaiaga...”


A partir deste ponto, vós continuareis a história, sendo que cada um deve escrever algo baseado no que foi escrito anteriormente. Podem inserir vossos personagens da forma que quiserem e narrar quaisquer acontecimentos da contenda de Galleon que julgarem apropriados.

Cada um escreverá uma parte da história (através de um comentário), e esta mesma pessoa só poderá escrever outro depois que uma pessoa diferente tenha escrito algo (ou seja, todos podem participar quantas vezes desejarem, mas nunca duas vezes seguidas).

Pode haver lutas entre vós, mas nenhum personagem tem permissão de matar ninguém durante as narrações (apenas derrotar ou ferir gravemente). Ao final do dia 19 de janeiro, o resultado disso será decidido em uma enquete.

8 comentários:

  1. Galadhon, o Senhor das Lâminas12 de janeiro de 2011 23:15

    "Galleon adentrou a sinistra Floresta de Teia Negra, e logo de início encontrou dois lobos atrozes que o atacaram ferozmente. Como o guerreiro experiente que era, Galleon deu cabo das criaturas, mas logo ouviu uma risada abafada.

    Quando olhou mais a frente, tentando seguir a origem do som, viu um elfo negro envolto por um manto cinzento. O elfo negro sorriu maliciosamente, e tirou um pergaminho de sua bolsa...

    ResponderExcluir
  2. Após proferir algumas palavras inintelíveis aos ouvidos de Galleon, o elfo adentrou novamente às densas sombras da floresta. Alguns segundos depois Galleon foi tomado por uma fraqueza indomável, seguida por um relaxamento total de seus músculos. Permaneceu ali por horas, imóvel sobre a relva, até o momento em que...

    ResponderExcluir
  3. Um corvo surgiu e lentamente se aproximou. Os olhos do elfo imobilizado pareciam um alimento apetitoso. Quando o corvo cegou tão perto que dava para Galleon ver seu reflexo nas pupilas do pássaro, esse se transformou em um mago!

    ResponderExcluir
  4. Sagramor, o Libertador14 de janeiro de 2011 09:18

    O mago era um humano de longas barba brancas e vestia uma túnica cor de prata. Ele retirou o encantamento que prendia Galleon e disse que seu nome era Mirthan, o Corvo das Planícies.

    Mirthan explicou à Galleon que ele e seu amigo Sagramor, um bravo bárbaro meio orc, adentraram a Floresta da Teia Negra atrás dos elfos negros para puní-los pelo mal que as sórdidas criaturas haviam causado. O problema é que misteriosamente, Mirthan e Sagramor foram separados na floresta. Mirthan propôs uma aliança com Galleon.

    O elfo, sem hesitar, apertou a mão do mago, e ambos foram atrás de Sagramor...

    ResponderExcluir
  5. Galleon sentiu-se aliviado por poder contar com um aliado, e perguntou a Mirthan se este sabia algo mais sobre como adentrar na cidade subterrânea dos drow. Infelizmente, o mago respondeu que ainda não obtivera informações satisfatórias e que a floresta toda parecia estar envolta em magia. Era óbvio que os drow eram os responsáveis por aquela situação, mas algo preocupava Galleon ainda mais: uma aliança entre a bruxa Babaiaga e os elfos negros provavelmente se forjara, e os propósitos de tal união provavelmente iam além daquilo que os bravos aventureiros podiam imaginar. Enquanto pensava em suas considerações, Galleon sentiu a mão de Mirthan pará-lo abruptamente... ele havia ouvido um barulho em meio as folhagens.

    - Parece que hoje não seremos deixados em paz, amigo - o mago sussurrou.

    ResponderExcluir
  6. O mago estava correto.

    Galleon e Mirthan foram cercados por três demônios, cada um com a forma de uma aranha gigantesca. Atrás das aranhas, a cerca de vinte metros, Mirthan detectou a presença de uma elfa negra, provavelmente uma clériga.

    Galleon começou a lutar contra as criaturas, tentando dar tempo para que Mirthan lançasse seus feitiços. Aproveitando a cobertura, Mirthan lançou um poderoso raio na direção da elfa negra, mas ele parou em uma espécie de barreira. A elfa apenas sorriu e disparou um raio de energia contra ele. Mirthan ergueu uma proteção mágica que repeliu o ataque da elfa negra, enquanto Galleon habilmente decaptava uma das aranhas.
    Sabendo que a elfa não poderia ser atingida facilmente, Mirthan voltou sua atenção para as aranhas, e queimou uma delas com sua magia, enquanto a espada de Galleon cortava a terceira ao meio.
    A elfa negra aproveitou que o mago e o guerreiro haviam se esquecido momentaneamente dela e lançou uma magia de escuridão nos dois. Em seguida, ela levantou os três demônios dentro da escuridão como mortos vivos.
    Aquilo não teria fim, pensou Galleon sendo atingido por um deles. Mirthan foi atingido no rim, e caiu no chão sentindo um forte calafrio.

    Neste momento, os demônios cairam e a escuridão passou. Galleon ergueu os olhos para ver o que tinha ocorrido, e viu um enorme meio orc com o machado ensanguentado, e o corpo da elfa negra rasgado ao meio...

    ResponderExcluir
  7. Quando o Meio-orc partiu a drow com seu machado, com lâminas pesadas, de ambos os lados do longo cabo, os demonios mortos-vivos tombaram, como da primeira vez.
    Haviam cicatrizes nos membros e no rosto do meio-orc, e em seus olhos, uma fúria que logo ia desaparecendo. Longos - e imundos - cabelos negros desciam de sua cabeça e algumas tatuagens vermelhas enfeitavam seu corpo assim como as cicatrizes. Pele de urso e lobo, vestiam o bárbaro, assim como também eram troféis.

    Meio-orcs são raros em qualquer lugar. Nem Galleon, nunca tinha visto um, apesar de já ter ouvi falar a respeito. Eles são o resultado da união com um humano e um orc. Mais fortes que o primeiro e mais inteligentes que o segundo... Mas ainda assim ficam longe de ser conciderados inteligentes.
    Galleon se levantou exausto, e com o corpo castigado pelos ferimentos, e fincou a ponta da espada no chão, se apoiando sobre ela, para se recuperar.
    Orcs e elfos se odeiam. E o orgulho de Galleon não o faria aceitar que foi salvo por um orc.
    Então Galleon falou com a voz mais cançada que já ouviu sair da sua boca - "Devo agradecer a sua ajuda, mas não careciamos de auxilio"
    O meio-orc riu - "Há! O elfo não queria ajuda? Estava prestes a chorar!" - Zombou - "Na minha tribo, nós..." - Ele parou de falar com sua boca que abrigava dois grande caninos inferiores saltados para fora. A espressão do seu rosto mudou de um riso para um rosto pensativo e triste, e depois de uma pausa continuou - "Elfo não quer ajuda... mas humano barba-de-neve precisa".
    Galleon olhou para trás e viu Mirthan caido sobre o chão, com o robe prateado manchado de sangue. E então o elfo correu para socorre-lo.

    Uma vez o pai de Galleon lhe disse que antes de aprender a matar, deve aprender a curar. Se não, um guerreiro capaz de derrotar dezenas de homens, algum dia veria uma vida com quem ele se importa se perder lentamente. E então ele realmente se sentira realmente sem poder.

    Armas de aço tem pouco uso em uma batalha contra própria morte.

    Galleon cortou um pouco das vestes roxas da drow, que não estivesse tingidas de vermelho. E Então, as usou para amarrar ao tronco do mago para estancar o sangue.
    "Você pode se considerar sortudo" - Disse Galleon para o mago
    "E por que?"
    "Porque acertaram no seu rim"
    "E como isso poderia ser chamado de sorte?"
    "Porque você tem dois" - riu
    "Heh... não me fassa rir elfo... isso machuca..."
    "Você vai ficar bem" - Disse Galleon com um sorriso.
    Galleon se levantou, e se virou para o meio-orc, dessa vez de uma forma mais amigavel - "O que leva um orc a uma floresta repleta de drows?"
    "Eu sou meio-orc" - Respondeu ele com uma cara de poucos amigos - "Meu nome é Tror'gark Meio-Sangue, filho de Dror'gark, o líder da tribo Rompe-Ossos. E vim vingar minha tribo massacrada pelos elfos pele-da-noite"
    Os elfos tomavam a denominação 'elfo negro' praticamente uma ofensa. Os drows eram cruéis e eram o contrário dos elfos da superficie. Mas Galleon estava feliz, não apenas porque encontrou um aliado com um inimigo em comum. Porque encontrou um amigo.

    ResponderExcluir
  8. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir