domingo, 17 de outubro de 2010

Halls of Quests: A Armadura Fênix

Saudações, nobres irmãos e irmãs.

Trago-vos mais uma importante contenda para ser solucionada por vossa sabedoria e discernimento. Trata-se da poderosa Armadura da Fênix, ou melhor, de quem deveria guardá-la.

“A Armadura Fênix também é chamada de O Legado de Aenarion, O Rei Fênix. As parcas lendas descrevem que há muitas eras atrás, em um momento de escuridão e desespero para os elfos. Um jovem príncipe de coração puro chamado Aenarion rezou para que Corellon, pai de sua raça envia-se ajuda de alguma forma.
Corellon vendo que o jovem Aenarion realmente merecia sua ajuda enviou uma de suas estrelas a terra, onde ela caiu em uma grande montanha. Aenarion partiu para essa montanha e por dias ficou subindo e subindo até chegar ao topo.

O que ele encontrou no topo da montanha era um fragmento de um metal jamais visto antes, Era dourado como o ouro, irradiava luz como uma estrela. Para sua surpresa quando Aenarion tentou mover o grande fragmento de metal ele descobriu que era mais leve que Mithral.

Quando Aenarion voltou para casa ele teve mais uma surpresa, só que desagradável dessa vez. Os maiores artífices élficos não conseguiam fundir o metal que era mais resistente que Adamante. O jovem príncipe então consultou um oráculo que lhe disse que "Somente a pura e derradeira chama da alma de uma Fênix poderia fazer o metal divino a ceder."

Então uma vez mais Aenarion partiu em uma viagem só que dessa vez indo direto ao vulcão Dharroth, conhecido por abrigar essas magníficas aves mágicas.
Após passar por inúmeras provações, o príncipe finalmente chegou ao seu destino, e com grande humildade relatou sua historia para as grandiosas fênix. Foi com grande tristeza que elas disseram que não poderiam ajudá-lo, pois se uma fênix o fizesse não poderia mais ressuscitar das chamas e estaria morta para sempre. Desolado e sem esperanças Aenarion se preparava para partir quando Honeidavar, um grande fênix que ficou comovido pela coragem e determinação do jovem elfo, se ofereceu para o nobre sacrifício.

Voltaram para o reino élfico, e sem demora os maiores artífices élficos começaram a trabalhar com afinco no misterioso metal com auxílio das chamas da grande fênix.
Durante semanas trabalharam se parar, mas quando terminaram eles estavam diante da maior armadura jamais concebida pelos elfos antes. No momento de sua morte, Honeidavar dá aos elfos um ultimo presente. Ele vinculou sua alma imortal à grandiosa armadura dizendo "Mesmo que as trevas engulam toda luz e que o desespero cegue o coração das pessoas. Uma luz brilhara mais forte no final e seu calor despertara a esperança em outros corações perdidos."

Vestido com a invencível armadura, Aenarion partiu para a guerra e confrontou a grande escuridão que ameaçava seu mundo em sua era. Pouco se sabe sobre a batalha que se seguiu, dizem que por um momento o vilão superou as forças do príncipe e lhe cravou a espada no ventre, mas então quando tudo parecia perdido a armadura virou chamas ferindo mortalmente o maligno. O nobre príncipe ressurgiu das chamas sem a armadura, mas intacto e sem ferimentos. Com o vigor renovado, Aenarion derrotou a grande escuridão.
Após sua vitoria, Aenarion se sentiu triste pelo sacrifício de Honeidavar. Então uma nova luz o envolveu e para a surpresa de todos, Aenarion saiu da luz vestindo a magnífica armadura Fênix. Durante muitos anos Aenarion ficou conhecido como o Rei Fênix. Mas mesmo assim com o tempo veio sua morte e ele pediu aos seus súditos mais leais que construíssem um templo para ele na mesma montanha aonde a estrela caiu, para ficar próximo dos céus e que um descendente de sua linhagem e com um coração nobre viesse reclamar a armadura quando o mundo precisasse da luz uma vez mais.

Muitas gerações depois, um meio-elfo chamado Rhorvals entrou na tumba que era protegida por poderosas runas élficas que impediam a entrada de qualquer que não tivesse o sangue de Aenarion correndo em suas veias. Vendo o caráter honrado e o coração justo do meio-elfo, o espírito do antigo Rei Fênix o aceita como seu sucessor e passa para ele a incrível armadura.

No lugar de ser tratado como um grande herói élfico após a derrota de Ashardalon, O Dragão Vermelho Demoníaco Grande Ancião no Poço das Almas Não-nascidas, os Altos Elfos acham que ele não possui nenhum direito sobre a armadura sendo ele um mestiço filho de Vardalon, um terrível tirano que já flagelou um grande aliado de seu reino uma vez, e da ex-princesa Cereane, que causou grande desgosto ao seu pai ao ter tido relações amorosas com o algoz que resultou no nascimento de Rhorvals.

Agora os Altos Elfos querem a armadura para o seu reino, para que ela possa ser usada por um guerreiro de linhagem pura e nobre, e não por um hibrido filho de um déspota e de uma traidora.”


Em vossa opinião, Rhorvals deve ou não entregar a armadura aos altos Elfos? A enquete “A Armadura Fênix” está aberta, e permanecerá assim por três dias e três noites.

22 comentários:

  1. Ora, se essa armadura foi um "presente" de um ancestral, e se ele se mostrou digno de vesti-la, então não vejo então porque Rhorvals deveria entregar ela para algum elfo maricas

    ResponderExcluir
  2. O que o próprio Rei Fênix concedeu não deve ser tirado de Rhorvals e dado a outro. Os Altos Elfos deveriam respeitar a sabedoria de seu antigo rei.

    ResponderExcluir
  3. Ora, se não fora Aenarion que foi concedido com as bençãos dos céus. Não fora ele que teve Honeidavar curvado à sua bravura. E desta forjou tal honraria. E o mesmo presentiou Rhorvals com tal, que deves dizer os outros Altos Elfos?
    Aliás não é do sangue que trazemos que nasçe nossas virtudes, mas de nossas ações e escolhas.

    ResponderExcluir
  4. Verhanna Folha Selvagem, a Arquidruidisa de Kharnat17 de outubro de 2010 22:07

    Meu amado não precisa entregar nenhuma de suas posses a ninguém! Foi o próprio espírito de Aenarion que o escolheu como seu sucessor, e vocês Alto-Elfos só o julgam por sua herança mestiça e não por sua coragem e seus sacrifícios que ele sempre fez por todas as pessoas de bem, independente da raça.

    ResponderExcluir
  5. Anastrianna Velemarel17 de outubro de 2010 23:21

    Um discurso apaixonado de uma Elfa-Silvestre! Tu não deverias estar empreendendo teu tempo usando peles de animais selvagens, ou tentando descobrir como se portar em uma verdadeira corte élfica nobre?

    De coração nobre ou não, um meio-humano ainda é um meio-humano! Se Rhorvals é tão nobre quanto tu diz, ele entregara a armadura a nós, e isso provara que pelo menos ele tem algum requisito de consciência élfica em seu corpo hibrido.

    Como guerreira, considero uma ofensa a toda cultura élfica um meio-humano ter se tornado mestre no nobre estilo de esgrima élfica, Querimhinue!

    Me pergunto como o grande pai de nossa raça, Corellon, permitiu que um hibrido se tornasse um clérigo seu, e ainda ser amigo de UM ORC!!!

    Esse é assunto que nós Elfos Bem Nascidos devemos resolver, e humanos que tem o tempo de vida de uma mosca não deveriam se intrometer nisso.

    ResponderExcluir
  6. De fato, se o próprio Rei Fênix escolheu Rhorvals para vestir essa poderosa armadura, então essa foi a decisão feita por alguém nobre e de coração puro como parece ter sido o Rei Fênix, então acredito que não há necessidade de contestá-la. Entendo que a lembrança que a herança de Rhorvals traz possa ser muito dolorida aos altos-elfos, mas Rhorvals já provou ter valores bastante diferentes de seu pai: preza a liberdade mais do que a ordem, por exemplo, e acredito que esse seja um valor muito caro aos elfos.

    ResponderExcluir
  7. Galadhon, o Senhor das Lâminas18 de outubro de 2010 11:34

    Tenha calma, Anastrianna.

    Como a armadura foi um presente de Corellon, nós simplesmente entendemos que ela deva estar sempre a serviço do povo élfico. E isto só se dará de maneira completa e eficaz se a armadura for usada pelo alto rei dos elfos ou por um de seus generais. A armadura deve ser " devolvida" não pelo fato de Rhorvals ser um mestiço, mas sim pelo fato dela ser muito mais útil ao povo élfico nas mãos de um rei ou guerreiro élfico totalmente comprometido com os reinos élficos do que nas mãos de um aventureiro, por mais nobre que este seja.

    Por isso acredito que a armadura deva ficar em posse dos elfos.

    PS: Ragnar, se chamar de maricas um de meus irmãos novamente, vou enterrar minhas espadas na sua garganta.

    ResponderExcluir
  8. Não poderia concordar mais com Galadhon. A decisão do Rei Fênix foi necessária, e a missão de Rhorvals cumprida. Humanos e meio-elfos estão sempre prontos para nos julgar como uma raça preconceituosa e fechada, o que não deixa de ser verdade em muitos casos, mas por conseguinte enxergam aquilo que lhes convêm e ouvem apenas as palavras que podem reforçar o seu próprio preconceito.

    Contudo, apenas nós cuidamos de nossas florestas e de nós mesmos, portanto é óbvio que desejemos que esta armadura esteja em posse de um guerreiro honrado de nosso povo. A minha vontade, pelo menos, não está ligada a arrancar de Rhorvals a armadura por ele ser um híbrido e outras discussões insensatas e sem cabimento. Está muito mais ligada ao desejo de que esta armadura esteja a serviço de nosso povo, em primeiro lugar, e como consequência a serviço dos povos de bem em geral. Nada mais justo já que a armadura é um presente de Corellon para proteger a raça élfica em um momento de desespero e escuridão de seus filhos.

    ResponderExcluir
  9. Isawa Hayashi, Andarilho dos Cinco e Voz do Clã Fênix19 de outubro de 2010 01:14

    Ahn... Seria pedir muito que a armadura ficasse a serviço do povo élfico... Só que com o Rhorvals dentro dela?

    Acho que isso conciliaria os dois lados. O Rhorvals fica com a armadura, e a armadura fica com elfos. (Off: Sim, estou neutro como na quest anterior)

    Outro detalhe importante é que por sinal, forças ancestrais do próprio Rei Fênix passaram a armadura para Rhorvals, e passá-la a outro sem o consentimento ou aprovação do Rei Fênix original não me parece o jeito mais recomendável de fazê-lo ficar feliz com a situação. Não q o contrário tb vá enraivecê-lo, mas, se a armadura FOR passada para outrem, que pelo menos seja de alguém igualmente aprovado pelo Rei Fênix. Creio que atendido esse pré-requisito, nem mesmo Rhorvals vá querer ficar com ela por puro capricho.

    ResponderExcluir
  10. Sábias palavras, lord Isawa.

    Rhorvals manteria a armadura que conquistou o direito de usar, mas juraria lealdade ao rei dos elfos... Sim, esta realmente seria uma solução para esta contenda.

    Alguma outra sugestão, bravos guerreiros de Valhalla?

    ResponderExcluir
  11. Mark o sábio inconstante19 de outubro de 2010 09:21

    Olá caros amigos, depois de muitos meses de reclusão para meditar nas montanhas e adquirir conhecimento interior, eu voltei para compartilhar a minha sabedoria convosco.

    Nós vivemos em um mundo assolado pela miséria e dificuldades materiais pela maioria da população por um lado, e por outro temos alguns poucos extremamente afortunados e que fazem de tudo para não perder seus bens materiais, mas que ao mesmo tempo são vistos como heróis e exemplos para o mundo de honra, dignidade e benevolência.

    Pense em quantos exércitos não poderiam ser equipados apenas com o valor desta armadura, quantos sacos de trigo poderiam ser comprados, quantas casas construídas. Podemos levantar fundos para proteger um reino inteiro com o dinheiro de um item que serve para proteger apenas uma pessoa.

    Esta armadura não pertence a esse mundo, ela não pode ser vestida por um mortal, por que nós ainda não estamos preparados para conviver com este tipo de relíquia. Os elfos estão desencadeando uma discussão para adquirir o direito sobre ela, não demorará muito para alguém fazer uma besteira e tudo acabar em uma guerra. sangue de irmãos banhando a relva em vão.

    Meu voto é que vendam essa armadura para algum reino de outro plano onde ela possa ser mais útil, e utilizem a fortuna para algo mais relevante. Isso sim seria um ato de honra, dignidade ou benevolência. Ou vocês dependem de um belo conjunto de placas de metal reluzentes para terem alguma moral? como é o caso do Vardalon.

    ResponderExcluir
  12. Burne Travers, Inquisidor de St. Cuthbert19 de outubro de 2010 09:32

    Rhorvals encontrou essa armadura em uma tumba de seu ancestral. E o espírito do próprio Rei Fênix o escolheu. Ele possui o direito de posse dessa armadura. Afinal ele que a encontrou, é o herdeiro e sucessor legítimo.

    ResponderExcluir
  13. Rhorvals Alhanadel, o Ciclone de Aço19 de outubro de 2010 09:53

    Realmente essa discução é inútil! Posso ser um meio-humano, mas sou um clérigo guerreiro de Corellon, e minha obrigação primaria sempre foi defender o bem estar de todos os elfos, independente da sub-raça.

    Essa armadura não representa poder ou supremacia! Ela representa esperança e igualdade não só para os elfos, mas para todos que vivem com dignidade.

    O que os alto-elfos esquecem, é que eles não são a única sub-raça de elfos que existem. Se a armadura for para as mãos de um deles, eles irão isolala e não propagarão os ideais de Aenarion. Se os Alto-Elfos quiserem posso ir para seu reino sem problema algum, desde que me aceitem e não me desprezem como meio-humano. Lembrem-se, para haver liberdade deve-se haver igualdade.
    A sugestão de Odin é aceitável para mim!

    ResponderExcluir
  14. Não... O que esse velho caolho sabe?

    A sugestão do Mark é bem melhor! Pensem nas criancinhas!!!!!

    ResponderExcluir
  15. Essa armadura representa poder e supremacia!
    ela deve ser banida deste plano.
    o único problema é que se Rhorvels perder a armadura o nome dele vai ter que passar de "Rhorvals Alhanadel, o Ciclone de Aço" para "João da Silva", porque pelo que percebi, toda a habilidade heróica e invejável que o clérigo possue está contida na sua roupinha super charmosa e reluzente. UI!!

    ResponderExcluir
  16. Isawa Hayashi, Andarilho dos Cinco e Voz do Clã Fênix19 de outubro de 2010 15:14

    Off: Comentário de D&D: Uma espada +5 é muito mais negócio q 5 espadas +1. Então acho q é uma decisão mais estratégica NÃO esmerilhar a armadura em sei lá qtos trilhões de PO e deixar o item (por sinal, megapoderoso pra estar causando esse furdunço todo) do jeito q está.

    Outra sugestão seria intercalar a posse da armadura. Se as duas partes estiverem tão diametrais assim, então que Rhorvals fique com ela, por exemplo, metade do ano, e a outra metade que ela fique com os elfos. Ou, ressalto minha sugestão de mandar o Rhorvals com armadura e tudo pros elfos.

    ResponderExcluir
  17. Sempre ouvi falar que os elfos eram honrrados, mas de a armadura para ficar um ano com esses nobres orelhudos que se acham melhor do que os outros e o verdadeiro merecedor da armadura nunca mais nem mesmo vai a ver.
    Ele se mostrou digno, recebeu, venceu o inimigo ele deve sim, fazer que nem seu antepassado. A armadura é dele por direito.

    ResponderExcluir
  18. Como eu disse, os humanos estão sempre prontos para nos julgarem sem ao menos exergarem primeiro sua própria arrogância e prepotência. Essa armadura na verdade não deveria estar gerando conflitos, e se uma gota de sangue for derramada por causa dela, acredito que o próprio Rei Fênix irá retirá-la desse plano. Acredito que a sugestão de Isawa Hayashi seja sensata.

    ResponderExcluir
  19. Selwyna, a Bruxa da Rosa Negra19 de outubro de 2010 16:19

    Fugi por enquanto dos paladinos para participar desse julgamento! Considero o meu pai como um homem de honra e acho que ele não deveria entregar a armadura para os alto-elfos, mas sim trabalhar ao lado deles para garantir a segurança de todos os elfos.
    Elenna Aldalen, normalmente vocês são assim mesmo! A Anastrianna praticamente ofendeu minha mãe por ela ser uma elfa-silvestre, considerando ela selvagem e barbara. E foram vocês que começaram toda essa confusão. E vocês não o querem no seu reino por que ele é neto do rei de vocês e como minha amiga Astreya disse isso é uma lembrança dolorosa não é?
    Mark, meu pai ganhou o titulo de Ciclone de Aço muito antes de receber essa armadura. (A classe de prestígio Campeão de Corellon somado com o talento Holy Warrior é deveras assustador)
    Acho que a sugestão de Odin de meu pai ter que jurar fidelidade ao atual rei élfico uma boa idéia!

    ResponderExcluir
  20. Entendo o que diz, senhorita Selwyna, mas se formos julgar uma raça pelo comportamento de alguns, os humanos estarão em lençois bem piores - quanto a meio-elfos nunca conheci muitos de vocês para formar algum tipo de juízo. Anastrianna teve um comportamento bastante fervoroso, o que julgo incomum para os padrões de minha raça, e nunca vi ninguém em Sindhar ofender filhos de Corellon por serem de diferentes regiões ou linhagens -eu particularmente repudio esse tipo de comportamento, principalmente por ser gratuito. E eu nem sequer conheço o elfo que clamou pela armadura de teu pai. É de fato uma lembrança dolorosa que teu pai nos traz, e isso é algo incontestável, mas isso não significa que ele terá uma conduta ruim e não possa trabalhar a nosso lado. Significa apenas que ele terá que se esforçar mais do que o usual para ganhar a confiança de alguns de nosso povo.

    ResponderExcluir
  21. So quem sente a dor do preconceito sabe o tanto que isso é dolorido, e machuca nossa alma. Os humanos tem uma grande mancha escura em sua historia, mas os altos elfos não ficam atraz. Nobre guerreiro e representante de Corellon, aqui quem fala é um mestiço como você a serviço da musica das lendas e historias, e percebi algumas nobres e cinseras palavras, te aconselho realmente não entregar a sua armadura e sim, proteger este povo que precisa de sua ajuda como seu pai um dia o fez. A sua gloria vem com as vontades dos deuses sobre seus feitos.Não se preocupe com os obstaculos.

    ResponderExcluir
  22. Rhorvals Alhanadel, o Ciclone de Aço20 de outubro de 2010 11:46

    Grato pelas gentis palavras, nobre Leonam! Em relação a meu pai... bem ele é o Algoz Vernard Vardalon, e ele já fez coisas terríveis para os elfos, como raptar a princesa dos Altos-Elfos, Cereane ,minha mãe e ambos tiveram um relacionamento amoroso. Mas quando ela foi morta por um Drow disfarçado como um nobre alto-elfo, meu pai praticamente destroçou uma cidadela importante dos Altos-Elfos não poupando ninguém! Essa meu nobre amigo é a lembrança que Astreya, Elenna e minha filha Selwyna se referem.

    Não se preocupe com minha conduta, Elenna. O único problema seria a conduta que teu reino tem em relação a meio-elfos. Afinal pelo que percebi Sindhar não costuma dar moradia a mestiços.

    Enquanto ao comentário de Anastrianna. Prefiro elfas sinceras e humildes que cuidam da terra do que elfas arrogantes e puristas que só se importam com etiqueta. Foi por essa razão que tu não conseguiste me derrotar no passado para tomar o titulo de Ciclone.

    Mark, eu não tenho culpa se você não sabe fazer um personagem direito. E não dou à mínima quando dizem que ele roubado por dar 30 de dano por golpe sendo um clérigo. Usei regras oficiais de livros oficiais.

    ResponderExcluir