domingo, 31 de outubro de 2010

Halls of Heroes: Elenna Aldalen

Elenna Aldalen
Classe/ nível atual: Ladina nível 04
Raça: Elfa
Tendência: Caótico Bom

Elenna é uma elfa ladina nascida na floresta de Sindhar, lar dos altos-elfos de Elgalor e principal bastião de poder da raça no continente. Perdeu os pais ainda jovem, na mesma guerra que tomou a vida do filho do rei Thingol de Sindhar, tendo sido acolhida por seu tio, o capitão Bheleg Aldalen, que, apesar de ter sido um bom guardião para ela, estava constantemente ocupado com assuntos do reino. Contudo, isso fez com que Elenna ficasse mais próxima do palácio; desta proximidade nasceu sua amizade com a princesa Meliann, filha de Thingol,

já que compartilhavam, alem da idade, a dor de uma perda precoce.

Elenna cresceu com o coração bondoso, mas fechado. Ela se ressentia dos humanos assim como todos os habitantes de Sindhar, mas não conseguia sentir-se confortável vivendo no isolacionismo. Seu tio, reconhecendo sua personalidade inquieta, encaminhou-a para treinar com os ladinos do reino, que tinham como principal objetivo encontrar e recuperar artefatos élficos perdidos em Elgalor, em especial aqueles que estivessem sendo utilizados para fins maléficos. Assim, quando estivesse pronta, Elenna poderia partir em missões similares – no entanto, sua relativa imaturidade de habilidades e sua idade tenra para os padrões élficos não permitiam que ela saísse de Sindhar com muito freqüência ou para locais muito distantes, o que a deixava ainda mais inquieta.

Elenna sempre esteve convicta de que pouco poderia fazer por seu reino mantendo-se segura em seus domínios, mas ao mesmo tempo tinha medo de abandoná-lo, e guardava grande ressentimento em relação aos humanos, por esses terem, quase que diretamente, causado a morte de seus pais na guerra na qual o príncipe de Sindhar tombara graças a uma traição feita por tal povo. Não partilhava, no entanto, da mesma melancolia e resignação tranqüila que a princesa Meliann possuía; tinha dentro de si uma inquietação que não conseguia explicar, e que os dias em sua floresta, por mais que ela a amasse, não conseguiam aplacar.

Quando o mal bateu à porta de seu reino na forma de um grande general orc, ela sabia que deveria agir, mas foi mantida em segurança em Sindhar por ordem de seus superiores. Foi nesse dia que ela viu lutar nas portas de seu reino os heróis de Elgalor, um grupo composto por meio-elfos, humanos, um anão e uma meio-orc, enquanto seus irmãos atiravam flechas a uma distância segura a mando do Conselho de Magos, e preocupavam-se com a segurança de seu reino em primeiro lugar. Elenna não admitiu para nenhum de seus companheiros, mas naquele dia, sentiu pela primeira vez vergonha da postura de Sindhar, coisa que nunca havia acontecido.

Anos depois, Elenna foi mandada pela primeira vez em uma missão na Floresta de Ythil, longe de seu lar, para investigar um templo élfico em ruínas que havia sido invadido, e então teve sua oportunidade de, finalmente, conhecer o mundo além de Sindhar e ajudar o seu reino de forma mais prática. E dentro de seu coração, ainda outro objetivo jaz secreto: conhecer, finalmente, a realidade do mundo que a cerca e o caráter dos inúmeros indivíduos de outras raças que, se são capazes de grande vilanias, também parecem erguer-se como grandes heróis e expulsar o mal que nem mesmo o seu reino pode apaziguar.

5 comentários:

  1. Rhorvals Alhanadel, o Ciclone de Aço31 de outubro de 2010 12:31

    Que Corellon a acompanhe em suas jornadas, Elenna. Fizeste uma boa escolha ao sair de Sindhar para conhecer o mundo e outras raças, não é bom viver isolada e com ressentimento.
    Como clérigo do grande Soberano dos Elfos, eu te aconselho a não esquecer o passado, mas superá-lo, pois dessa forma você poderá desfrutar do grande “presente“ que nos foi concedido de viver agora, e construir um futuro de prosperidade.

    ResponderExcluir
  2. Obrigada, Rhorvals. De fato, me deste um bom conselho. Espero que esta jornada me auxilie a encontrar novas formas de ajudar meu povo a superar sua dor.

    ResponderExcluir
  3. Selwyna, a Bruxa da Rosa Negra1 de novembro de 2010 14:32

    Eu achava que você fosse outra alto-elfa purista, mas realmente você tem a mente mais aberta para conhecer os outros. Sei bem como é viver com dor e ressentimento, por isso consigo entendê-la bem, mas devemos seguir o conselho que meu pai nos deu. "Supere o passado, aproveite o presente e terá um belo futuro".
    E também é bem excitante conhecer novas pessoas e novos lugares.

    ResponderExcluir
  4. Tu tens razão, Selwyna. Sei que tu entendes melhor do que ninguém como é importante poder superar um passado de dor. Depois que vi os Heróis de Elgalor lutando e protegendo (mesmo que apenas como efeito colateral) meu reino, percebi a importância de manter um contato e tentar conhecer outras raças, apesar de ter dificuldade para entender os atos e costumes destas.

    ResponderExcluir
  5. Elenna, que os Deuses elficos protejam a sua jornada. Você é especial. Ja vi muitos elfos se recolherem em sua longevidade e esperar as ondas históricas passarem, mas você é diferente. Em suas veias corre o sangue dos heróis e seus feiktos serão cantado pelos bardos até o final dos tempos!

    Abraços,

    RPGames Brasil
    http://rpgamesbrasil.blogspot.com/

    ResponderExcluir