sábado, 9 de outubro de 2010

Guerreiros Sagrados

Saudações, nobres guerreiros!

Não, não hei de falar sobre paladinos. Falarei sobre guerreiros sagrados. Literalmente.

Muitas vezes, observamos guerreiros extremamente habilidosos e de coração justo que fazem parte de uma ordem religiosa ou tropa de cavalaria, mas que não se enquadram no perfil de um paladino. Neste contexto podemos encontrar muitos grandes heróis, como os caçadores de vampiros do clã Belmont (Castlevania), Rei Arthur, Elendil (Senhor dos Anéis) ou mesmo guerreiros deuses como Thor, Balder, Tyr ou Heimdall.

Em um tomo chamado Complete Champion: A player’s guide to divine heroes, um dos últimos e melhores livros lançados para D&D 3ª edição, temos uma nova categoria de talentos, os “Devotion Feats” (tratarei deles em outra ocasião) e algumas habilidades especiais para cada classe básica.

No caso do guerreiro, temos três habilidades especiais que conferem ao personagem um caráter mais “divino”, e que podem ser adquiridas no lugar dos talentos adicionais que o guerreiro normalmente recebe.

1) Resoluto (sem requerimento de nível)
Como uma ação livre o guerreiro retira um valor de até metade do valor de sua classe de Armadura e adiciona o mesmo número à sua resistência de Vontade. Este efeito dura até o final da próxima rodada.

2) Ataque com Tendência (nível 4 ou mais)
Como uma ação livre, a arma empunhada pelo guerreiro adquire uma parte de sua tendência, podendo assim superar a redução de dano de seus inimigos. Um guerreiro leal e bom, por exemplo, pode tornar sua arma sagrada ou ordeira, podendo mudar a tendência escolhida a cada rodada.

3) Armadura dos Deuses (nível 8 ou mais)
Como uma ação livre, o guerreiro pode reduzir a 0 sua base de resistência de Vontade e adicionar o valor retirado à sua Classe de Armadura. Este efeito dura até o final da próxima rodada.

Gabriel Belmont, protagonista da saga Castlevania, Lords of Shadow

4 comentários:

  1. Ótimo post, mestre Odin. Acho esta uma forma bastante interessante de diferenciar um guerreiro e tornar o personagem mais rico! E que belo vídeo... fiquei curiosa para saber como acaba a história (será que terá um fim tão belo com "Rise of the Argonauts"?), hehehe...

    ResponderExcluir
  2. Rhorvals Alhanadel, o Ciclone de Aço9 de outubro de 2010 01:27

    Hahaha, acho que estou nesse estereótipo. Graças aos conhecimentos contidos nesse tomo (talento Holy Warrior) pude me tornar um guerreiro divino mais eficaz.

    (OFF: Depois que fizeram esse livro qualquer clérigo com domínio da guerra deve pegar o talento Holy Warrior. Mesmo tendo que sacrificar uma magia de nível alto vale a pena.)

    ResponderExcluir
  3. Interessante essas idéias. Confesso que sempre que jogo com um paladino, ele cai na mesmice.

    ResponderExcluir
  4. Achei um belo trabalho que fizeste nesse post Odin. Eu sempre gostava de jogar como um Belmont com um chicote sagrado. Astreya, o Gabriel consegue todas as partes da Máscara do video, ele acreditava que com a mascára pudesse reviver a sua falecida esposa. Na verdade ele descobre que ela não tinha esse poder, era conhecida como uma ilusão para os sem esperança. Ele volta a ver uma ultima vez a esposa dele, e em seguida vai embora.

    ResponderExcluir