quarta-feira, 1 de setembro de 2010

Contos de Asgard 18: Tarrasque (parte 1)

Saudações, nobres almas!

Trago uma vez mais aos Salões de Valhalla um belo trabalho do talentoso escaldo Jaco Galtran. Aqueles entre vós que desejarem expor vossos contos ou sagas pessoais, sintam-se à vontade para enviar um pergaminho aos meus corvos (odin.halls@gmail.com)

Boa leitura, que os deuses da guerra estejam convosco.

Só fazia duas semanas. Menos, talvez.

Estávamos eu, Joynylly, Kardagon e Myur bebericando em uma taverna qualquer. O vinho estava amargo e muito frio, as raparigas eram feias e tinham bêbados na mesa ao lado cuspindo uns nos outros – e, vez por outra, me acertando. Até aí, nada de novo.
De repente, chegou um velhinho. Barba branca, voz entrecortada por espasmos de dor, e um brilho enigmático no olhar. Soa familiar, não? Pois é. Ele se debruçou sobre nossa mesa, começou a chorar e a gaguejar sobre uma profecia.

Falou sobre uma ameaça invencível, um monstro adormecido, e que o mundo estava condenado. Disse que nós éramos os “escolhidos” e que devíamos impedir enquanto ainda era possível fazer isso. E falou aquele nome que até o bardo mais criativo já pronunciou trilhões de vezes: Tarrasque.
Saímos da taverna – depois de levarmos o velho a nocaute com um soco de Kardagon, claro. Acho que de cada dez tavernas que já visitamos, em quarenta aconteciam sempre as mesmas coisas.
Pena eu estar errado na única vez em que não podia.

***

A Ordem dos Cavaleiros Santos de Dalanthar havia sido destruída sem deixar vestígio. O mais respeitado grupo de heróis de todo o continente tinha sido dizimado, e minha intuição me alertava que o velho barbudo tinha razão.

Até que chegamos à grande capital Yavak. E vimos o fim do mundo.

O monstro tinha dezenas de metros de comprimento, uma cauda enorme, e, sobre suas costas, uma carapaça invulnerável. Uns diziam que era uma força antinatural do universo, outros que era a suprema criação dos deuses do mal, e ainda havia quem afirmasse que ele era o enviado dos céus para punir a maldade dos mortais. Independente do que realmente fosse, ele era o inimigo que todo aventureiro rezava todas as noites para nunca precisar enfrentar.

Era o Tarrasque.

As cidades eram derrubadas a cada movimento sinuoso do corpanzil do bicho. Arqueiros disparavam flechas, magos lançavam seus feitiços, clérigos erguiam colunas de fogo sagrado, mas tudo batia na carapaça e não o feria. Pessoas eram “varridas” e pisoteadas. Tinha gente correndo para todos os lados, e muito poucos conseguindo realmente escapar.

- Vamos – Joynylly gritou comigo.

Não era uma hora boa para uma bravata. Fiquei quieto e pedi aos deuses em silêncio para que parte do desejo deles de justiça e paz se materializasse em forma de poder em minha espada. Escutei Kardagon gritar algo como “Mire nos olhos do maldito”, e depois ouvi o grito de Myur. Abri os olhos.

O Tarrasque se debatia e girava o corpo freneticamente fazendo tudo ao seu redor desmoronar. Joynylly fez menção de ir resgatar uma família soterrada entre os escombros de sua casa, e não viu a aproximação veloz e violenta da cauda do inimigo. Foi atingida em cheio e voou metros longe. Avancei espada em punho, disposto a arriscar. Atingi uma das patas colossais do monstro. Pouco mais que um arranhão. Recuei.

Ficou claro que não havia chance de vitória. Myur usou uma das poucas magias que restava e nos tirou dali...

5 comentários:

  1. Gronark, Deus do Sofrimento e Canibalismo1 de setembro de 2010 22:37

    Contemplem minha mais nova vilania, heróis patéticos. Eu graças aos poderes de Yog-Sothoth, eu pude romper o lacre feito pelos deuses do mar para acordar um dos “esquecidos” mais poderosos que dormia no fundo do mar.
    Esse ser primal é conhecido por muitos títulos. A besta de mil bocas, O horror de milhares de fases, O grande devorador, O nome que nunca pode ser pronunciado.
    O Grande Devorador destruiu Sairalinde a ilha santuário de Sehanine, também conhecida como o farol lunar da esperança. Essa ilha era protegida pelos Seldarine da mesma forma que Sírhion, e se Skarr falhar em sua investida a essa ilha .... o Devorador não ira falhar!
    HAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHA
    Meus aliados das trevas há muito tempo vocês não se manifestam nesses salões. Mística Louca, nós estamos mais perto de abrir os portais para Shangri-Lá.
    Skarr, Gunthasson e Brungork, logo iremos nos banquetear na carne dos elfos e dos inocentes, e a lança Gungnir será sua Skarr, as runas para Brungork, e Asgard será de Loki, e o trono mágico de Odin meu!
    http://images3.wikia.nocookie.net/__cb20090611114737/wowwiki/images/3/38/Yogg-Saron_Blizzard_com.jpg
    “Esquecidos são monstros criados pelos antigos que ficaram no plano material, todas as aberrações seriam consideradas Esquecidos.”

    ResponderExcluir
  2. Gothmog, o Senhor dos Balrogs2 de setembro de 2010 08:24

    Que os malditos elfos e todos os povos livres sintam nossa cólera. Minhas hordas hão de marchar ao seu lado, Gronark, e mesmo que Odin esteja mantendo Elgalor protegida fora dos eventos das Crônicas, ainda há MUITO que podemos fazer...

    Gostei muito do conto, Jaco Galtran. Quando eu arrasar este mundo repepleto de covardes, vou poupá-lo para que registre minhas conquistas.

    ResponderExcluir
  3. Galladhon, o Senhor das Lâminas2 de setembro de 2010 08:35

    Pelos deuses, vocês miseráveis não desistem mesmo... Parece que voltei em boa hora.

    Odin, já que Gothmog tocou no assunto, gostaria de perguntar quando vamos ter mais detalhes sobre o mundo de Elgalor. Seria interessante conhecer melhor o cenário e seus heróis e vilões.

    Bem, voltando ao conto, meus parabéns ao senhor Jaco Galtran. Sua habilidade com as palavras se equipara à dos nossos melhores oradores.

    PS: Gothmog, só há espaço para um "Senhor" aqui. Deixo avisado que vou terminar o serviço de Fingon, o Valente.

    ResponderExcluir
  4. Que tuas lâminas sejam capazes de mandar Gothmog de volta para o abismo, Galladhon. Quanto a ti, Gronark, o Ragnarok há de chegar muito antes que tu ou teus malditos deuses antigos coloquem as patas em meu trono.

    Em relação a Elgalor, como já havia prometido a nosso amigo Nubling, hei de apresentar mais sobre os reinos e personagens deste mundo em breve.

    ResponderExcluir
  5. Isso me lembra do Meio-Tarrasque... seria uma raça medonha xD

    ResponderExcluir