sábado, 8 de maio de 2010

Druidas, os sábios defensores da natureza.

Arte por Fabian Schar

“Querido irmão, agradecemos-te de todo coração por oferecer teu corpo para que possamos nos alimentar, e teu couro para que possamos proteger nossas crianças do frio. Saiba que tiramos tua vida por necessidade, jamais por ganância ou esporte, e que teu espírito estará conosco, sempre lembrado com honra.”

Oração de agradecimento do caçador ao animal abatido.



Saudações, nobres almas

Trago-vos aqui um relato feito por um venerável druida élfico de Asgard, que nos ensina um pouco sobre a honra, os valores e as obrigações destes sábios sacerdotes da natureza.

1) Proteja seu território: Cada druida recebe de seu mestre, após os ritos de passagem, um território para defender. Mantenha o local seguro e em equilíbrio, mas evite assumir a responsabilidade toda para si. Os membros de todas as comunidades devem ser conscientes da importância da preservação da natureza e de seu papel neste processo.

2) Oponha-se a tudo aquilo que é anti-natural: A natureza segue um ciclo, de começo, meio e fim. Criaturas que desrespeitam este ciclo devem ser erradicadas de qualquer meio natural. Se elas são toleradas em ambientes civilizados, não cabe a nós julgar ou interferir, mas que, em nossa Casa, tais criaturas encontrem o fim que há tanto tempo têm evitado.

3) Cuide daqueles que vivem em paz com a natureza: É nosso dever proteger todos aqueles que vivem em harmonia com a natureza, sem fazer qualquer distinção quanto à raça ou inclinação moral. Se uma tribo de kobolds vive em paz em seu território, sem perturbar ou depredar a natureza, eles devem ser tão protegidos quanto os pacíficos halflings que cultivam com amor suas terras.

4) Destrua todas as aberrações: As aberrações, como licantropos e beholders, representam uma perversão àquilo que é natural e equilibrado, e devem ser erradicados, antes que cresçam demais em número e força.

5) Jamais isole-se de teu mundo: Um druida deve ser parte integrante da natureza, e portanto, deve interagir com tudo a seu redor. Trabalhe em cooperação com elfos, centauros, rangers e quaisquer outros que, semelhante a ti, buscam proteger a natureza.

6) Lembre-se da importância do equilíbrio: Exceto em casos onde uma contenda envolva a aniquilação de mortos vivos ou aberrações, evite se comprometer com cruzadas excêntricas que buscam tolamente erradicar TODO o mal. O mal faz parte da vida, e sem ele, raramente conseguimos enxergar com clareza aquilo que é genuinamente bom.

4 comentários:

  1. Muito bom o Post, fez-me lembrar do druida que fiz aquela vez, que o Mário até desenhou o grupo em dois momentos. Aquele em que a Bruna tinha uma bárbara.

    Lembro quando eu virava águia e criava água sobre os inimigos rss Ou quando um druída orc me perseguiu no céu, tambem na forma de águia, e eu voei reto na direção de uma parede de pedra, e me fundi com a pedra enquanto o druida se esborrachou... rss

    Abraços!

    ResponderExcluir
  2. correçao, a Bruna tinha uma Barda...qdo a Bruna fez a Bárbara foi a vez do Radhir...

    ResponderExcluir
  3. Me lembro destas histórias, bom amigo Frodo... foram deveras divertidas... e belos são os preceitos seguidos pelos druidas, protetores da natureza, bom Odin...

    ResponderExcluir
  4. Haha, os bons e velhos tempos, quando todos ainda se aventuravam juntos...

    ResponderExcluir