domingo, 14 de março de 2010

Que começe a batalha!

Salve, bravas almas! Vos trago hoje o exemplo de uma grande batalha entre dois poderosos grupos de aventureiros. A importância do trabalho em equipe, o confronto entre mestres da magia, guerreiros lutando para proteger o que lhes é caro, a fúria de um verdadeiro berserker, e o sacrifício de um grande herói. Que a força e a determinação dos bravos estejam sempre convosco! Se lembras de situação semelhante vivida por ti e teus companheiros, compartilha aqui conosco tua história.

11 comentários:

  1. Muitas batalhas emocionantes tivemos, mas não consigo me esquecer daquela em que fiz um balor dançar...

    Mas de fato, a batalha mais crítica que vivemos até agora foi aquela em que o rei-dragão nos surpreendeu e apareceu com seus batalhões para aniquilar elfos e anões... lembro até hoje a luta de meu amado rei com o maldito orc Skarr... ainda bem que tinhamos a benção de contar com uma das safiras de Ehlona, ou senão tudo poderia estar perdido...

    ResponderExcluir
  2. Os Deuses que pregam o bem estão sempre a favor dos justos, jovem barda. Ao contrário do que o infame Artanis prega, vós mortais são muito importantes para nós, portanto, saiba que nunca vos abandonaremos à própria sorte.

    ResponderExcluir
  3. Assim como o gado é importante para o fazendeiro... mas só a escravidão e a morte aguardam aos mortais a serviço dos deuses...

    ResponderExcluir
  4. Tu tens um coração muito perturbado, jovem Artanis. Espero que um dia possa encontrar a paz da melhor maneira possível.

    ResponderExcluir
  5. Esse aí não tem jeito não, Lenora...

    Enfim, bravo Odin, tenho memória de uma difícil batalha em que um dos companheiros de nosso grupo nos traiu...! Ele aceitou as propostas infames feitas pelo nosso inimigo de riquezas e poder! Se não fosse pelo meu arco ter tangido a sorte a nosso favor com um ataque em pontos críticos três vezes seguidas, talvez não estivéssemos vivas... mas a determinação minha e da clériga Lena para salvar aqueles que amávamos e de todo o grupo para viver e sanar os males cometidos em nosso mundo deve ter agido em nosso favor, direcionando as setas de luz de meu arco mágico... Foi pelo menos uma batalha emocionante!

    ResponderExcluir
  6. Não te preocupes, sábia Lenora; Odin já esperava que o ignóbil Artanis faria aqui um comentário tolo desta natureza.
    Nos Salões de Odin não há escravos; apenas os mais bravos e valentes.

    ResponderExcluir
  7. Deveras, Luna, não há nada pior do que um traidor. Todavia, quase tão nefasto quanto isso é ver alguém que abandona os companheiros à morte para salvar o próprio escalpo, não é, Artanis?

    ResponderExcluir
  8. Hahaha. É claro que é melhor correr e viver para lutar um outro dia do que morrer em vão, que foi exatamente que os meus tolos ex-companheiros fizeram, se é que você sabia, Odin.

    EU avisei sobre os perigos de descerem ao covil do dragão. A morte deles não foi causada por nada além da própria tolice deles.

    O que você chama de bravura eu chamo de imprudência e idiotice. E é claro que os deuses incentivam esse comportamento. As almas chegam mais cedo para engordar seu rebanho de escravos no além...

    ResponderExcluir
  9. E quanto ao traidor que Luna se refere, lembro que fui eu quem dei cabo dele, não é? Fácil, fácil...pobre druida.

    ResponderExcluir
  10. Sim, e foi bem feito para ele!

    ResponderExcluir
  11. Tu és um tolo, Artanis. Mas até os tolos têm seus momentos de valor...

    ResponderExcluir